PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Rohani pede à comunidade internacional para "se opor firmemente" aos EUA

25/09/2018 10h20

(Corrige sobrenome do presidente do Irã).

Teerã, 25 set (EFE).- O presidente do Irã, Hassan Rohani, considera que a comunidade internacional deve se opor firmemente à violação dos acordos por parte dos Estados Unidos, afirmou nesta terça-feira a presidência do país, através de um comunicado.

"Devemos mostrar que aqueles que violam as leis internacionais nunca serão aceitos pela opinião pública mundial", disse, referindo-se a saída dos EUA do acordo nuclear multilateral de 2015.

Rohani fez essas declarações durante uma reunião ontem, com o presidente boliviano, Evo Morales, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York.

O presidente iraniano destacou que, para defender do assédio e a ingerência americana dos interesses dos "países independentes", como considerou Irã e Bolívia, é necessário que eles permaneçam "unidos".

"A nação iraniana sempre apoiará firmemente seus amigos em todos os campos", ressaltou Rohani, citando os países latino-americanos e, especialmente, a Bolívia.

Por sua vez, Morales disse que tanto Irã como seu país estão no mesmo caminho para lutar pela liberdade, segundo a nota da presidência iraniana.

"Os americanos sempre tentam interferir nos assuntos dos países independentes que têm muitos recursos naturais e humanos", denunciou o líder boliviano.

No mês de maio, o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu retirar seu país do acordo nuclear de 2015 e voltou a impor sanções econômicas ao Irã, cuja segunda rodada entrará em vigor em novembro.

Embora houvesse especulações sobre um possível encontro entre Trump e Rouhani durante a Assembleia Geral, já que a Casa Branca tinha deixado a porta aberta para isso, o presidente iraniano descartou ontem essa possibilidade.

Além disso, durante seu encontro com Morales, Rouhani voltou a denunciar o apoio que os EUA oferecem a certos grupos terroristas ou a países que respaldam estes grupos, como fez depois do atentado no último sábado, que matou 25 pessoas na cidade de Ahvaz.

"Muitos grupos terroristas na região (do Oriente Médio) estão sendo apoiados pelos EUA, tanto financeiramente, quanto com armas", afirmou.

Internacional