PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Díaz-Canel e chanceleres latino-americanos pedem eliminação de armas atômicas

26/09/2018 12h34

Nações Unidas, 26 set (EFE).- O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, e vários chanceleres latino-americanos defenderam na ONU nesta quarta-feira a eliminação das armas nucleares, ao insistirem no grave perigo que continuam representando.

"A humanidade segue ameaçada pela existência de aproximadamente 14.400 armas nucleares, das quais 3.750 estão instaladas e quase 2.000 estão em estado de alerta operacional", destacou o governante cubano.

Díaz-Canel abriu o encontro organizado pelas Nações Unidas para celebrar o Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares. Além dele, entre outros, também discursou no início do ato a vice-presidente e chanceler da Costa Rica, Epsy Campbell.

Também estavam previstos discursos dos ministros das Relações Exteriores de vários países da América Latina, como Brasil, Venezuela, México, Honduras, El Salvador, Uruguai e Guatemala.

A presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa, insistiu que as armas nucleares continuam sendo um dos grandes desafios desta época e devem continuar sendo uma prioridade para as Nações Unidas.

A diplomata equatoriana lembrou que esse tipo de armamento tem a capacidade de "mudar a face da Terra, erradicando sociedades inteiras".

"Um mundo livre de armas nucleares é a única garantia de que a natureza humana não colocará em perigo a nossa própria existência", acrescentou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, reforçou o pedido de um "diálogo sincero" para a "eliminação total das armas nucleares" e a "implementação dos compromissos já existentes".

"Os países que possuem armas nucleares têm uma responsabilidade de liderar", disse Guterres, que lembrou dos progressos que Estados Unidos e Rússia, as duas maiores potências atômicas, obtiveram para reduzir seus arsenais.

"Peço para que os dois governos voltem ao diálogo necessário para manter seu histórico bilateral de reduções", afirmou o diplomata.

Internacional