PUBLICIDADE
Topo

Olivia Newton-John chega aos 70 com hábitos saudáveis na luta contra o câncer

26/09/2018 06h02

Rocío Otoya.

Sydney (Austrália), 26 set (EFE).- A atriz e cantora Olivia Newton-John, protagonista do musical "Grease: Nos Tempos da Brilhantina", completa 70 anos nesta quarta-feira em meio a uma luta contra o câncer, o terceiro diagnosticado desde 1992, mas com uma vida focada na meditação e em hábitos saudáveis.

Nascida em Cambridge, na Inglaterra, e criada em Melbourne, na Austrália, a artista hoje vive com o marido, John Easterling, em um rancho na Califórnia, nos Estados Unidos. A rotina atual é mais tranquila do que no auge da fama, mas ela ainda se mantém em atividade de várias formas.

No dia 18 de setembro, Newton-John publicou uma autobiografia chamada "Don't Stop Believin'" ("Não pare de acreditar"), assim como uma de suas músicas mais famosas.

Também neste mês, participou de uma caminhada anual em Melbourne com a meta de arrecadar fundos para um centro de pesquisa do câncer que leva o seu nome. Foi nesse ocasião que revelou a luta contra o terceiro câncer.

O tumor foi descoberto na parte inferior da coluna vertebral em 2017, cinco anos após ter sido diagnosticada com outro câncer no ombro direito em um exame depois de sofrer um leve acidente de trânsito.

Em 1992, Newton-John sofreu o primeiro tumor maligno. Devido ao câncer de mama, foi submetida a uma mastectomia parcial e uma cirurgia de reconstrução.

A artista, que em 1978 interpretou a adolescente australiana Sandy Olsson junto a John Travolta no papel de Danny Zuko em "Grease", disse ao canal australiano "Seven Network" que consome "muitas ervas e suplementos", além de fazer "muita meditação" por considerar importante se ocupar do bem-estar de "todo o ser".

"Sou muito sortuda, me casei com um incrível especialista em plantas medicinais", comentou a cantora, que combate o câncer com radioterapia e óleo de cannabis, além de uma dieta sem açúcar.

A estrela do musical "Xanadu" (1980) defende tratamentos naturais para os pacientes com câncer, motivo pelo qual torce para que a Austrália adote as mesmas leis que a Califórnia para permitir o uso da maconha medicinal.

"Meu sonho é que (a maconha para fins medicinais) esteja logo disponível para todos os pacientes de câncer e para quem tem um câncer doloroso na Austrália", expressou.

O câncer foi uma constante na vida pessoal de Olivia Newton-John. O pai dela, Brin, morreu de câncer de fígado em 1992. Há cinco anos, a irmã, Rona, perdeu a vida devido a um tumor no cérebro.

O compromisso da artista contra essa doença a levou a participar de campanhas como uma caminhada de três semanas pela Muralha da China em 2008 para arrecadar fundos para os tratamentos. Ela também já atuou como ativista a favor dos golfinhos e da saúde das crianças.

Outro drama pessoal foi o desaparecimento do ex-companheiro Patrick McDermott em 2005, enquanto Chloe, sua única filha, fruto do relacionamento com Matt Lattanzi, sofreu de anorexia e toxicomania.

Newton-John começou a carreira no início da década de 1970, anos nos quais conseguiu ocupar a quarta posição no festival Eurovision como representante do Reino Unido com a canção "Long live love".

A verdadeira fama veio com "Grease", um dos musicais cinematográficos mais populares da história. Na carreira musical, a artista vendeu mais de cem milhões de álbuns, ganhou vários prêmios e ocupa o 20º lugar da lista Billboard dos melhores artistas de todos os tempos.