PUBLICIDADE
Topo

Papa envia mensagem de fé a católicos na China e pede continuidade do diálogo

26/09/2018 09h40

Cidade do Vaticano, 26 set (EFE).- O papa Francisco divulgou nesta quarta-feira uma longa mensagem aos católicos da China, explicando as razões que o levaram a assinar o Acordo Provisório, e pediu às autoridades do país para que, com "confiança e coragem", continuem o diálogo que iniciaram com o Vaticano.

Em 11 páginas, o pontífice pediu a união da Igreja e a reconciliação dos 12 milhões de católicos chineses, divididos entre a "igreja oficial" e a "igreja clandestina".

O objetivo da mensagem era acalmar os receios e responder às dúvidas de parte deste último grupo, após a histórica assinatura, no último dia 22, de um acordo entre China e Vaticano que abre o caminho para a normalização das relações diplomáticas, rompidas em 1951.

"A Igreja na China não é alheia à história do país nem pede privilégio algum. Sua finalidade no diálogo com as autoridades civis é alcançar uma relação de respeito recíproco e de profundo conhecimento", esclareceu o papa.

Francisco disse entender o sentimento que esse movimento provocou e ressaltou que admira a força dos católicos no país, "quando certos acontecimentos se revelaram particularmente adversos e difíceis".

O pontífice destacou que o acordo tem apenas finalidades espirituais e pastorais próprias da Igreja, com o objetivo de "alcançar e conservar a unidade plena e visível da Comunidade católica na China", em referência à existência de duas comunidades católicas no país, uma com padres nomeados pelo governo e a clandestina, vinculada à Santa Sé, em Roma.

Segundo o papa, restabelecer a unidade era imprescindível para enfrentar a questão das nomeações episcopais, um dos principais empecilhos durante décadas para a normalização das relações.

Por esse motivo, ele disse que aceitou a reconciliação de sete bispos oficiais vivos - e um já falecido - ordenados sem mandato pontifício. Em contrapartida, pede que os católicos "se expressem, por meio de gestos concretos e visíveis".

"Assim, é possível dar início a um percurso inédito, que ajudará a curar as feridas do passado, restabelecer a plena comunhão de todos os católicos chineses e abrir uma fase de colaboração mais fraterna, para assumir com renovado empenho a missão do anúncio do Evangelho", disse o pontífice.

Embora bispos, sacerdotes, pessoas consagradas e fiéis leigos devam sempre ser nomeados pelo papa, Francisco falou na mensagem sobre a possibilidade de "procurar, de forma conjunta, bons candidatos que sejam capazes" de desenvolver o trabalho da Igreja.