PUBLICIDADE
Topo

Internacional

China denuncia protecionismo e diz que não se submeterá a pressões

28/09/2018 16h21

Nações Unidas, 28 set (EFE).- O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, criticou nesta sexta-feira na Assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU) o "protecionismo" e deixou claro que seu país não se submeterá a "pressões" no âmbito comercial.

Em plena disputa comercial com os Estados Unidos, Wang ressaltou que a China quer conseguir com "diálogo" uma "solução adequada", baseada nas normas "internacionais" e no "consenso". De acordo com o ministro, é fundamental que os países se adaptem à "globalização econômica" e trabalhem para que esse processo seja "aberto e integrado" para o benefício de todos.

Wang falou sobre as questões comerciais durante boa parte de seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, defendendo a aposta da China no sistema multilateral da Organização Mundial de Comércio (OMC).

"As tendências unilaterais prejudicarão a todos", advertiu o ministro chinês, em uma aparente mensagem às políticas tarifárias do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, embora sem mencioná-la diretamente.

Segundo Wang, em relação a esse tipo de ações, a China está tomando as medidas correspondentes, não só para defender seus interesses, mas também para proteger "o livre-comércio internacional", as normas e beneficiar todos os países. Além disso, o ministro ressaltou que a China já fez mais do que se comprometeu em matéria de redução de tarifas quando se uniu à OMC e disse que o país "não vai impor obstáculos ao comércio".

Wang defendeu a cooperação multilateral tanto em matéria comercial quanto na política internacional, mas deixou claro que para que o sistema funcione é preciso que os países demonstrem "vontade".

Sua mensagem contrastou com o discurso de Trump na última terça-feira na Assembleia Geral, quando o presidente americano defendeu a "doutrina do patriotismo" como alternativa para os enfoques multilaterais.

Internacional