PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Em Moscou, assessor dos EUA homenageia opositor russo assassinado

23/10/2018 13h50

Moscou, 23 out (EFE).- O assessor de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, prestou uma homenagem nesta terça-feira ao líder opositor russo Borís Nemtsov, assassinado há três anos a poucos metros do Kremlin.

"Borís Nemtsov lutou por uma Rússia mais livre e próspera, tanto como político como líder do movimento democrático do país", afirmou a embaixada americana em Moscou na sua conta oficial no Twitter, onde postou imagens de Bolton em frente ao local do assassinato do opositor russo.

A mensagem acrescentou que Nemtsov "segue inspirando as pessoas" e ressaltou que o assessor de segurança depositou no local do assassinato uma coroa de flores acompanhada pelo embaixador americano na Rússia, Jon Huntsman.

Anteriormente, Bolton, que se reunirá ao longo do dia de hoje com o presidente russo, Vladimir Putin, também deixou flores no túmulo do Soldado Desconhecido, junto à muralha do Kremlin, dedicado aos combatentes soviéticos que morreram durante a Segunda Guerra Mundial.

"Estados Unidos e Rússia têm uma longa história de cooperação, inclusive na Segunda Guerra Mundial", disse a respeito em outro tweet a missão diplomática americana.

Ao comentar a visita de Bolton ao "altar" de Nemtsov na ponte onde foi baleado, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, indicou que se trata de uma "iniciativa própria" do político americano.

O assessor de segurança nacional dos EUA planejou uma intensa agenda para sua viagem à Rússia, que precede sua excursão pelas repúblicas do Cáucaso Sul.

Bolton se reuniu na segunda-feira com seu homólogo russo, Nikolai Patrushev e o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, enquanto nesta terça-feira aconteceu seu encontro com o ministro de Defesa, Sergei Choigu.

O carismático opositor russo foi assassinado a tiros no dia 27 de fevereiro de 2015 em uma ponte a poucos metros do Kremlin.

Pelo assassinato de Nemtsov foram julgados cinco chechenos, que em 2017 foram declarados culpados por um tribunal de Moscou.

Internacional