PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Terremoto na Indonésia foi "castigo de Deus" contra gays, diz político malaio

23/10/2018 12h02

Bangcoc, 23 out (EFE).- O líder do principal partido opositor da Malásia, Ahmad Zahid Hamidi, afirmou nesta terça-feira que o terremoto e o tsunami que atingiram a Ilha de Celebes, na Indonésia, foram um "castigo de Deus" contra a comunidade LGBT no país.

De acordo com o jornal "The Star", em uma sessão do parlamento malaio, Hamidi, que é ex-vice-primeiro-ministro do país asiático, disse que a cidade de Palu foi "destruída" e milhares de pessoas morreram ou desapareceram pela "ira de Alá" contra cerca de mil integrantes do coletivo LGBT.

O político, presidente do partido Organização Nacional dos Malaios Unidos (UMNO), que governou o país ininterruptamente desde a independência em 1957 até maio deste ano, sugeriu a criação de um programa para "ajudar" a comunidade LGBT e "evitar punições semelhantes" na Indonésia.

O opositor, que tem mais de 40 acusações de lavagem de dinheiro e abuso de poder, foi duramente criticado por membros do atual governo, que lembraram que "a maior doença social e atividade imoral" é a corrupção.

Há quase um mês, um terremoto de magnitude 7,5 castigou a Ilha de Celebes e provocou um tsunami que atingiu algumas cidades da região.

O desastre provocou a morte de 2.103 pessoas e deixou 4.612 feridos graves, conforme a apuração oficial mais recente. Além disso, há cerca de 5 mil estão desaparecidos.

Internacional