PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Ex-diretor da CIA era alvo de pacote suspeito enviado à sede da "CNN"

24/10/2018 14h24

Washington, 24 out (EFE).- O pacote suspeito enviado nesta quarta-feira aos escritórios do edifício Time Warner, em Nova York, estava dirigido ao ex-diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), John Brennan, segundo afirmam vários meios de comunicação americanos.

A emissora de televisão "CNN", cujos escritórios de Nova York se encontram no mesmo edifício, antecipou essa informação citando agentes de segurança local, enquanto outros meios, entre eles o jornal "The Wall Street Journal" e o canal "NBC News", confirmaram depois esse dado.

Não está claro por que o pacote que estava dirigido a Brennan foi enviado à sede da "CNN" em Nova York, uma vez que não se sabe se o ex-chefe da CIA (2013-2017) tem algum contrato com essa emissora. Na verdade, é comentarista habitual em um canal de televisão rival, o "MSNBC".

O presidente americano, Donald Trump, considera Brennan um dos seus principais inimigos políticos e, no último mês de agostou, tomou a decisão extraordinária de retirar-lhe as credenciais de acesso à informação confidencial do governo, além de qualificá-lo como "charlatão, partidário e pirata político".

O Serviço Secreto dos EUA interceptou nas últimas horas outros dois pacotes suspeitos dirigidos às residências da ex-candidata presidencial Hillary Clinton e do ex-presidente Barack Obama, outras duas figuras antagônicas a Trump.

Um quarto pacote foi detectado hoje no escritório de uma conhecida congressista democrata, Debbie Wasserman Schultz, na cidade de Sunrise (no sul da Flórida), segundo indicaram meios de comunicação locais.

No entanto, as autoridades ainda não informaram de uma possível motivação política dos ataques, nem identificaram publicamente possíveis suspeitos.

A Casa Branca condenou em comunicado as "tentativas de ataques violentos" contra Obama, Hillary e "outras figuras públicas", e prometeu que "os responsáveis prestarão contas, antes de tudo, no marco da lei".

Internacional