PUBLICIDADE
Topo

Polícia de Israel detém sacerdote copta na entrada do Santo Sepulcro

24/10/2018 11h33

Jerusalém, 24 out (EFE).- A polícia de Israel interveio nesta quarta-feira em um protesto de cristãos coptas na entrada do Santo Sepulcro e deteve um sacerdote, em um incidente que se deu por conta de uma disputa com outra comunidade religiosa, devido a uma restauração de parte do templo.

Religiosos da Igreja Copta Egípcia protestaram hoje em frente à basílica mais sagrada do cristianismo contra a tentativa de cristãos etíopes ortodoxos de reformar o Moteiro Deir es-Sultan, situado no teto do Santo Sepulcro e disputado pelas duas igrejas.

"Os agentes conversaram e discutiram com eles (religiosos coptas), que impediam o acesso, e pediram que permitissem a passagem aos trabalhadores (israelenses) que deviam entrar no recinto" para fazer alguns reparos arqueológicos, informou o porta-voz Micky Rosenfeld em comunicado.

Os policiais, então, avançaram sobre os religiosos coptas que não saíram da entrada e detiveram um deles, que no entanto será posto em liberdade nas próximas horas, confirmou à Agência Efe Rosenfeld.

O governo israelense providenciou a entrada dos seus trabalhadores, "a mando dos etíopes, para reformar partes do mosteiro que pertence aos coptas ortodoxos", explicou à Efe Dimiri Dilyani, Chefe da Unidade de Juventude Cristã em Jerusalém e membro do Conselho Revolucionário da Al Fatah.

Segundo Dilyani, os religiosos etíopes tinham sido hóspedes no mosteiro durante três séculos, mas os coptas eram os custódios do local.

"Até que em 25 de abril de 1971, quando os padres coptas estavam ocupados com os preparativos da Semana Santa, os etíopes coordenaram a tomada do mosteiro com Israel e trocaram o cadeado", tornando-se desde então os custódios do templo.

A propriedade do Mosteiro Deir es-Sultan foi julgada pelo Tribunal Supremo de Israel e em 16 de março de 1971 a Corte deu ganho de causa à Igreja Copta, mas a ordem nunca foi cumprida pelas autoridades israelenses.