PUBLICIDADE
Topo

Trump está acompanhando de perto investigação sobre pacotes suspeitos

24/10/2018 14h30

Washington, 24 out (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está acompanhando "de perto" a investigação e o desenvolvimento dos eventos relacionados com o envio de pacotes suspeitos para vários nomes do Partido Democrata, informou nesta quarta-feira a Casa Branca.

"Esta é uma situação ainda em desenvolvimento, que o presidente Trump e seu governo estão seguindo de perto", escreveu a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, no Twitter.

Trump condenou indiretamente as tentativas de ataque em um breve tweet, no qual afirmou que está "completamente de acordo" com a mensagem publicada pouco antes no Twitter pelo vice-presidente Mike Pence.

Nesse tweet, Pence expressou sua "condenação às tentativas de ataque contra o ex-presidente (Barack) Obama, os Clinton, a 'CNN' e outros".

"Essas ações covardes são desprezáveis e não têm cabimento neste país. Estou agradecido pela resposta rápida do Serviço Secreto, do FBI e das autoridades locais. Os responsáveis deverão responder à Justiça", acrescentou Pence.

O Serviço Secreto dos EUA interceptou hoje dois pacotes suspeitos dirigidos às residências de Obama e da ex-candidata presidencial Hillary Clinton, duas figuras antagônicas a Trump.

Um terceiro pacote foi enviado ao Time Warner Center em Nova York, um complexo de edifícios onde fica a redação e os estúdios da rede de televisão "CNN", e estava dirigido ao ex-diretor da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) John Brennan (2013-2017), outro inimigo político do presidente, segundo vários veículos de imprensa americanos.

Um quarto pacote foi detectado no escritório de uma conhecida congressista democrata, Debbie Wasserman Schultz, na cidade de Sunrise, no sul da Flórida.

As autoridades ainda não informaram a respeito de uma possível motivação política nesses ataques, nem identificaram publicamente os prováveis suspeitos.

A porta-voz da Casa Branca, que já tinha condenado em um primeiro comunicado as ameaças contra Obama e HIllary, se pronunciou depois também contra as outras tentativas de ataque.

"A nossa condenação destes atos desprezáveis inclui certamente as ameaças feitas à 'CNN', assim como aos funcionários e ex-funcionários públicos", indicou Sanders em um tweet, em aparente referência a Brennan e Wasserman Schultz.

"Esses atos covardes são inaceitáveis e não serão tolerados", acrescentou a porta-voz.

Além disso, o FBI iniciou ontem uma investigação sobre uma bomba encontrada na caixa de correio da residência do magnata e filantropo americano George Soros, ao norte do estado de Nova York.