PUBLICIDADE
Topo

Autoridades retiram pacote interceptado em agência dos correios em Manhattan

26/10/2018 12h40

Nova York, 26 out (EFE).- As autoridades de Nova York retiraram o pacote potencialmente explosivo interceptado na manhã desta sexta-feira em uma agência dos correios de Manhattan, que foi remetido ao ex-diretor da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês), James Clapper, e que é similar aos destinados nos últimos dias a nomes importantes do Partido Democrata dos Estados Unidos.

"O pacote foi retirado com segurança da agência do serviço postal na rua West 52. Esperem forte presença policial e trânsito residual na área enquanto seguimos investigando junto com as forças da ordem", informou a polícia local no Twitter.

O objeto estava destinado a Clapper, com endereço na sede da "CNN" no Time Warner Center, que na quarta-feira teve que ser evacuado devido a um pacote dirigido ao ex-chefe da CIA John Brennan.

Em entrevista coletiva perto do edifício dos correios, o chefe de Inteligência e Contraterrorismo da polícia local, John Miller, confirmou que o pacote "parece uma bomba de fabricação caseira" e "coincide com outros dispositivos vistos esta semana".

Miller relatou que a polícia isolou o pacote "intacto" e o transportou em um veículo com um contêiner especial para suas instalações em Rodman's Neck, como ocorreu com os dispositivos enviados anteriormente à "CNN" e à residência dos Clinton no condado de Westchester.

De Rodman's Neck, o objeto será transferido para os laboratórios do FBI em Quantico, na Virgínia, onde está concentrada a investigação sobre os pacotes, que chegam a um total de 12, somando outro encontrado nesta sexta-feira em uma agência dos correios na Flórida e dirigido ao senador democrata de Nova Jersey Cory Booker.

Miller acrescentou que recebeu outro alerta sobre um pacote "suspeito" em uma árvore no Central Park, mas este "não está vinculado" com a investigação e "não contém nada perigoso".

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, falou esta manhã na "CNN" e afirmou que tinha conversado nas últimas horas com o presidente Donald Trump sobre o estado das investigações e a colaboração entre as diferentes autoridades em nível federal, estadual e local.

Além disso, Cuomo pediu que os líderes políticos do país que ajam com responsabilidade diante das próximas eleições e garantiu que "não há coincidências" e que Trump deveria colocar a "segurança" acima do "efeito", apesar de desejar a vitória eleitoral de seu partido.