PUBLICIDADE
Topo

Cristã condenada à morte por blasfemar contra o Islã tem pena anulada

31/10/2018 06h55

Islamabad, 31 out (EFE).- A Suprema Corte do Paquistão absolveu nesta quarta-feira a cristã Asia Bibi, julgada por blasfêmia, e anulou a sentença de morte que havia sido imposta a ela sob acusação de insultar o profeta Maomé em 2009, em meio a ameaças de grupos islâmicos que pediam sua execução.

"A pena de morte é cancelada. Asia Bibi é absolvida das acusações", afirmou o presidente do Supremo, Mian Saqib Nisar, ao ler a sentença da apelação em uma sala com presença de comandos sem armas das forças militares.

Nisar, diante de um tribunal de três juízes, disse que se não há outras acusações contra a cristã, "ela pode ser libertada".

O anúncio da sentença aconteceu em meio a fortes medidas de segurança com soldados da polícia e agentes do esquadrão antibombas na entrada da sede do principal órgão judicial.

Asia Bibi, mãe de cinco filhos, foi denunciada em 2009 por algumas mulheres que disseram ela insultou o islã durante uma discussão em Punjab e foi condenada à morte em 2010 por blasfêmia.

A cristã perdeu o recurso apresentado à Suprema Corte de Lahore, capital de Punjab, em 2014, no ano seguinte, o Supremo paralisou a execução após concordar em estudar sua apelação, cuja primeira audiência, prevista para 2016, foi adiada após desafio de um dos juízes.

A Suprema Corte do Paquistão estudou o recurso da sentença de morte na Ásia em 8 de outubro e reservou o veredicto, observando que havia contradições nas declarações das testemunhas.

O partido político radical Tehreek-e-Labbaik Pakistan (TLP) ameaçou neste mesmo dia os juízes, com "perigosas consequências", se a Asia Bibi fosse era declarada inocente.

Poucos dias depois, milhares de islamitas reivindicaram em diferentes cidades paquistanesas sua execução.

O caso de Asia Bibi provocou indignação internacional, mas no Paquistão tornou-se em uma causa para os grupos e partidos islâmicos e levou a pelo menos dois assassinatos.

Um deles, o do ex-governador de Punjab, Salman Tasir, morto em 2011 por defender publicamente a causa de Asia Bibi por um de seus guarda-costas, Mumtaz Qadri, que, por sua vez, foi executado em 2016 e enterrado depois como um herói.

O segundo foi o de um ministro cristão de Minorias, Shahbaz Bhatti, assassinado a tiros na porta da sua casa, também em 2011, por defender a cristã e opor-se à legislação contra a blasfêmia.

A dura lei anti-blasfêmia no Paquistão foi estabelecida na era colonial britânica para evitar confrontos religiosos, mas na década de 1980, várias reformas patrocinadas pelo ditador Muhammad Zia-ul-Haq favoreceram o abuso desta norma.

Desde então, aconteceram 1 mil acusações por blasfêmia, um crime que no Paquistão pode levar a pena de morte, embora ninguém nunca tenha sido executado por este crime.