PUBLICIDADE
Topo

Kiir garante compromisso com acordo de paz e pede perdão ao povo sul-sudanês

31/10/2018 13h55

Juba, 31 out (EFE).- O presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, confirmou nesta quarta-feira seu compromisso com o acordo de paz selado em agosto deste ano com a oposição armada e pediu perdão ao seu povo pelo sofrimento causado por cinco anos de guerra civil, durante uma cerimônia realizada em Juba.

"Hoje declaramos o final da guerra no Sudão do Sul, porque esta guerra foi uma traição à nossa gente e à sua longa luta pela liberdade", declarou Kiir no ato que aconteceu na praça da Liberdade da capital, com a presença do principal líder da oposição e ex-vice-presidente, Riek Machar.

Além disso, pediu desculpas aos cidadãos pelo sofrimento que a guerra lhes causou:

"Peço perdão ao povo do Sudão do Sul por todas as partes em conflito. Esta guerra não era a guerra de vocês", ressaltou.

Kiir assegurou ainda que perdoou "todos os erros cometidos por Machar" e pediu a seu até agora inimigo que perdoe os erros que ele mesmo reconheceu ter cometido.

O presidente sul-sudanês também aproveitou a ocasião para anunciar a libertação de James Gatdet Dak, ex-porta-voz de Machar, que foi condenado à morte por um tribunal militar em fevereiro deste ano.

Anteriormente, o líder da oposição pediu ao presidente Kiir "a libertação de todos os presos políticos e prisioneiros de guerra", como está previsto no acordo de paz.

O documento foi assinado no último dia 5 de agosto em Cartum (Sudão) depois de semanas de negociações entre as partes e foi ratificado por ambas partes em Adis Abeba (Etiópia) com o auspício da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento da África Oriental (IGAD), principal mediadora no conflito.

A guerra explodiu no Sudão do Sul no final de 2013 quando Kiir acusou seu então vice-presidente Machar de orquestrar um golpe de Estado, o que desembocou em confrontos armados entre as forças leais aos dois líderes, pertencentes a duas etnias diferentes.