PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Reunião parlamentar do G20 começa com desenvolvimento e trabalho na agenda

31/10/2018 13h37

Buenos Aires, 31 out (EFE).- Legisladores dos países do G20 discutem a partir desta quarta-feira em Buenos Aires o ponto de vista dos parlamentos nacionais sobre assuntos como desenvolvimento, trabalho e transparência, um mês antes da cúpula de presidentes das maiores 20 economias do mundo que acontecerá na Argentina.

Na abertura de um evento que recebe parlamentares de 21 países, o diretor de Relações Públicas da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE), o hispânico-britânico Anthony Gooch, afirmou que os legisladores são o elemento "capaz de estabelecer uma ponte" entre os líderes mundiais e a população.

Gooch destacou que fóruns supranacionais como o G20, que une os 19 países mais desenvolvidos e em desenvolvimento mais a União Europeia e que inclui Estados convidados, são "percebidas pelos cidadãos como distantes", razão pela qual se necessita do papel dos parlamentos, que representam "diretamente" o povo.

Para isso, o programa, que se estenderá até esta sexta-feira, conta hoje com painéis sobre os desafios enfrentados pelo mundo, no qual participam representantes de Itália, Rússia e China, e o financiamento para o desenvolvimento, onde discursam deputados alemães, holandeses e chilenos, além do presidente da Grande Assembleia Nacional turca, Binali Yildirim.

Gabriela Michetti, presidente do Senado da Argentina - que ostenta em 2019 a presidência rotativa do G20 - disse durante a abertura que os parlamentos exercem um "papel fundamental" para atuar como "contrapeso do governo" e assinalou a corrupção como um dos temas relevantes das jornadas parlamentares.

"É um dos maiores perigos que o mundo tem, mas a população tomou consciência", salientou Michetti diante dos seus colegas, enquanto o presidente da Câmara dos Deputados argentina, Emilio Monzó, destacou a importância do G20 como "espaço necessário" para combater "ameaças à democracia".

A presidente da União Interparlamentar (IPU), a mexicana Gabriela Cuevas Barrón, se mostrou crítica com o papel até o momento das jornadas parlamentares do G20, que chegam à sua quinta edição em Buenos Aires, devido ao fato que "não houve resultados nem acompanhamento".

O encontro dos parlamentares serve para preparar o terreno para a reunião dos chefes de Estado e governo do G20, que se encontrarão na capital argentina nos próximos dias 30 de novembro e 1ª de dezembro.

Internacional