PUBLICIDADE
Topo

Mais de 100 menores escoteiros foram vítimas de supostos abusos na Irlanda

21/11/2018 12h05

Dublin, 21 nov (EFE).- Responsáveis da Scouting Ireland, uma organização de escoteiros na República da Irlanda, abusaram supostamente de mais de cem menores entre as décadas de 60 e 80, revela um relatório oficial divulgado nesta quarta-feira pelo Governo de Dublin.

"É devastador. Me parece extremamente pertubador receber esta informação", declarou a ministra de Infância, a independente Katherine Zappone, ao apresentar diante de um comitê parlamentar as conclusões provisórias de "uma revisão independente de documentos históricos" da organização Scouting Ireland.

O responsável da investigação, o especialista em assuntos de proteção de menores Ian Elliott, encontrou nesses registros "evidências" sobre a existência durante o citado período de 71 supostos abusadores e 108 supostas vítimas.

Zappone indicou que a investigação segue em andamento, por isso que não descartou que esses números possam "variar" nos próximos meses, ao mesmo tempo que explicou que toda a informação relevante foi enviada à Polícia Irlandesa (Garda) e à Agência Nacional de Proteção do Menor (Tulsa).

A ministra afirmou que alguns dos supostos agressores seguem trabalhando na Scouting Ireland, uma organização que, no entanto, desenvolve um "trabalho extraordinário".

"Comprovei pessoalmente em todo o país e o trabalho que realizam para apoiar crianças e jovens e voluntários é muito importante", disse Zappone.

A presidente da Scouting Ireland, Aisling Kelly, pediu hoje perdão pelo dano causado como consequência das práticas "irregulares" cometidas por membros da organização e embora "alguns fatos" tenham ocorrido "há muitos anos", seus "efeitos ainda causam dor hoje".

"Quero reiterar minhas desculpas e o nosso sincero pesar pelo o que aconteceu. Estamos totalmente comprometidos para aprender com esses erros e transformar a Scouting Ireland em um lugar seguro", acrescentou Kelly.

A presidente garantiu que seus membros colaboram com as autoridades para "esclarecer este assunto em toda a sua extensão".