PUBLICIDADE
Topo

Governo da Índia reforça segurança devido à concentração para exigir templo

25/11/2018 06h54

Nova Délhi, 25 nov (EFE).- As autoridades da Índia enviaram centenas de soldados e policiais para Faizabad por causa da reunião de 100.000 hindus prevista para hoje para pedir a construção de um templo da sua religião no lugar onde em 1992 extremistas desta confissão destruíram uma mesquita, o que derivou em meses de distúrbios e 2.000 mortos.

Sanjay Kumar, vice-superintendente da Polícia de Faizabad, no estado de Uttar Pradesh, no norte do país, explicou à Agência Efe que foram enviadas para a região 50 companhias da Força de Ação Rápida (RAF), 300 agentes, três equipes antiterroristas, 100 inspetores e 200 subinspetores, além de dezenas de altos comandantes policiais.

"Cerca de 100.000 pessoas se reuniram até o momento", afirmou a fonte sobre os hindus de diferentes grupos que pedem a construção de um novo templo em Ayodhya, onde se ergueu uma mesquita há três décadas e onde se acredita que nasceu o deus hindu Ram, avatar de Vishnu.

"A situação está cem por cento sob controle, não aconteceu nada substancial e não se espera que ocorra", detalhou Kumar.

Os distúrbios registrados em vários pontos da Índia após a demolição da mesquita de Babri no dia 6 de dezembro de 1992 se prolongaram durante meses por todo o país, causando ao redor de 2.000 mortos, nos piores confrontos entre hindus e muçulmanos desde a divisão do continente indiano em 1947.