PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Marinheiros ucranianos aprisionados pela Rússia serão julgados na Crimeia

27/11/2018 12h10

Moscou, 27 nov (EFE).- Os 24 marinheiros ucranianos aprisionados no domingo pela guarda costeira da Rússia a bordo de três navios da marinha da Ucrânia no Mar Negro serão julgados por um tribunal da capital da Crimeia, Simferopol.

Fontes judiciais informaram que 12 tripulantes dos três navios da marinha aprisionados serão levados nesta terça-feira a julgamento, no qual será ditada uma medida cautelar, segundo veículos de imprensa russos.

Quanto aos outros, nove comparecerão amanhã ao mesmo tribunal, segundo a comissária de Direitos Humanos da Crimeia, Lyudmila Lubina, enquanto os três feridos, que ainda estão hospitalizados em Kerch, serão julgados posteriormente.

Segundo as autoridades, os marinheiros já foram interrogados na Península da Crimeia pelas forças de segurança, que os acusam de violação das águas territoriais russas.

Eles serão representados por um advogado que já defendeu os ativistas tártaros acusados de extremismo por se recusarem a reconhecer a anexação russa da Crimeia, já que os defensores públicos se negam a assumir o caso, segundo fontes ucranianas.

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, antiga KGB) acusa as três embarcações de violar suas águas territoriais perto da Crimeia, de ignorar as ordens da guarda costeira russa e de apontar suas armas contra as lanchas russas.

Além disso, o FSB denunciou que agentes do Serviço de Segurança da Ucrânia coordenaram a "provocação" em alto-mar e um deles - o tenente Andrei Drache - foi detido a bordo da lancha "Nikopol".

O presidente russo, Vladimir Putin, acusou hoje Kiev de cometer uma "violação grosseira" do direito internacional com a ação das embarcações ucranianas e garantiu que a guarda costeira russa está disposta a "oferecer explicações adicionais" sobre o ocorrido na região do Estreito de Kerch, que liga o Mar Negro ao Mar de Azov.

Políticos ucranianos indicaram que os marinheiros podem ser condenados a vários anos de prisão, já que o crime é "grave", mas também afirmaram que o destino dos mesmos dependerá das consultas "no mais alto nível" que serão realizadas no futuro entre Putin e o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que poderiam levar a uma troca.

Internacional