PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Rússia quer que União Europeia envie "mensagem forte a Kiev"

27/11/2018 14h32

Paris, 27 nov (EFE).- O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, considerou nesta terça-feira que a União Europeia (UE) teria que enviar "uma mensagem forte a Kiev" para evitar novos incidentes como o que aconteceu no Estreito de Kerch entre embarcações militares de Rússia e Ucrânia.

Lavrov, que fez um pronunciamento à imprensa em Paris ao lado do ministro das Relações Exteriores francês Jean-Yves Le Drian, insistiu que não vê "necessidade de mediadores" na disputa aberta por esse incidente com a Ucrânia e insistiu que as autoridades ucranianas são responsáveis pelo mesmo.

"Este incidente foi conscientemente provocado" pela Ucrânia, disse o ministro russo, já que, se seus navios tivessem utilizado outra via, poderiam navegar por esse estreito próximo da Crimeia, uma península ucraniana que a Rússia anexou unilateralmente em 2014.

Lavrov afirmou que nem o Conselho de Segurança da ONU, nem a Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), nem outras instâncias internacionais, são pertinentes para solucionar essa questão.

O ministro russo também fez questão de corrigir a UE, que situa o enfrentamento no Mar de Azov, e disse que o mesmo ocorreu no Mar Negro. Os dois mares estão conectados precisamente pelo Estreito de Kerch, alvo de disputas entre Moscou e Kiev pela Crimeia.

Le Drian, por sua vez, reivindicou contenção e "calma" às duas partes e estimou que "o incidente se deve, em parte, à forte militarização da região".

O ministro francês disse que espera "um gesto da Rússia", que consista na libertação dos marinheiros ucranianos capturados na operação de domingo, e também que telefonará para o chefe da diplomacia ucraniana para que "contribua para reduzir" as tensões.

A guarda costeira russa capturou no domingo três navios da marinha ucraniana e, durante a ação, acabou ferindo vários de seus tripulantes, que foram acusados de violação de suas águas territoriais ao se dirigirem ao Estreito de Kerch.

Para a França, isso foi "consequência direta" da anexação da Crimeia, que foi feita através da "violação do direito internacional".

Sobre o conflito armado no leste da Ucrânia com separatistas pró-Rússia, perto da fronteira russa, Lavrov exigiu a aplicação dos acordos de Minsk assinados por Moscou e Kiev "em sua integridade". Para o ministro russo, isso faria com que as autoridades ucranianas acabassem com a "violação dos direitos das minorias nacionais" nesses territórios.

Os dois ministros de Relações Exteriores também falaram de outros assuntos da atualidade internacional, como a Síria, as relações entre Rússia e UE, e o acordo nuclear com o Irã, que ambas as partes querem defender do boicote dos Estados Unidos.

O chefe da diplomacia francesa admitiu que os dois têm "diferenças de enfoque, que em algumas ocasiões são profundas", mas, apesar de tudo, afirmou que a Rússia é "um grande parceiro internacional", como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, e que "a cooperação pode ser eficaz se estiver concentrada em projetos concretos".

Internacional