PUBLICIDADE
Topo

Ataque contra empresa de segurança britânica termina com 15 mortos em Cabul

29/11/2018 06h40

Cabul, 29 nov (EFE).- O ataque talibã contra um acampamento da empresa britânica de segurança G4S em Cabul terminou nesta quinta-feira, após dez horas de combates, com a morte de cinco terroristas, em uma ação na qual também morreram outras 10 pessoas e outras 27 ficaram feridas.

"A operação terminou às 4h30 da madrugada (horário local, 22h de quarta-feira em Brasília) com a morte de todos os agressores", afirmou à Agência Efe o porta-voz do Ministério do Interior afegão, Nasrat Rahimi.

O ataque contra o acampamento da G4S, que se dedica a proporcionar treinamento militar no Afeganistão, começou na última hora da tarde de quarta-feira, quando um suicida jogou um caminhão cheio de explosivos contra as instalações da companhia britânica, abrindo passagem a outros quatro insurgentes, explicou Rahimi.

"Durante o ataque tomaram 330 pessoas como reféns no interior das instalações, incluindo estrangeiros e 36 afegãos. Felizmente, as forças de segurança recuperaram de maneira bem-sucedida todos os reféns e os libertaram", detalhou o porta-voz.

Entre os mortos, além dos cinco terroristas, há seis afegãos, um britânico e "os outros três que ainda não foram identificados", enquanto os feridos são 11 nepaleses, o mesmo número de afegãos e cinco britânicos, concluiu Rahimi.

O porta-voz talibã Zabihullah Mujahid reivindicou ontem à noite a autoria do ataque em mensagem na sua conta no Twitter, na qual garantiu que seus homens detonaram um caminhão-bomba para abrir caminho a vários suicidas que entraram no local.

Em um novo comunicado hoje, Mujahid assegurou que no ataque a uma "importante base militar dos estrangeiros", na qual são treinadas as forças especiais afegãs, morreram "dezenas de oficiais e soldados estrangeiros e afegãos".

O ataque começou horas depois que o presidente afegão, Ashraf Ghani, anunciou em uma conferência internacional de dois dias convocada pela ONU em Genebra vários passos para um possível processo de paz com os talibãs, entre eles a formação de uma equipe de 12 negociadores.

Neste ano Cabul foi palco de múltiplos ataques, o último deles na semana passada, quando um atentado suicida contra uma reunião de acadêmicos religiosos que celebravam o nascimento do profeta Maomé deixou 55 mortos e cerca de 70 feridos.

A ação mais grave foi a registrada em janeiro, quando os talibãs detonaram uma ambulância perto do antigo Ministério de Interior, onde ainda operam algumas dependências oficiais, o que causou mais de 100 mortes.