Topo

Presidente do Equador afasta temporariamente vice acusada de corrupção

03/12/2018 19h56

Quito, 3 dez (EFE).- O presidente do Equador, Lenín Moreno, afastou nesta segunda-feira a vice-presidente do país, María Alejandra Vicuña, até o próximo dia 31, para que ela se defenda de uma acusação de cobrança de propina na época em que ela era congressista.

"Decidi liberar de suas funções a senhora vice-presidente, María Alejandra Vicuña, para que possa exercer sem interferência o seu direito à legítima defesa", anunciou Moreno, que encarregou temporariamente a José Augusto Briones, secretário-geral da Presidência, as funções que correspondiam à vice-presidente, já que ela não terá que deixar o cargo.

O presidente fez o anúncio do afastamento em uma cerimônia de posse de novos ministros que marca a segunda reformulação de seu gabinete neste ano.

De acordo com denúncia do ex-assessor legislativo Ángel Sagbay, a vice-presidente cobrou dele depósitos regulares em uma conta pessoal dela, entre 2011 e 2013, supostamente como contribuição obrigatória ao partido ABA, ao qual são filiados, e como condição para que ele ficasse com o cargo. Devido ao escândalo, vários parlamentares pediram que Vicuña seja alvo de um processo de impeachment.

A vice-presidente, que negou qualquer irregularidade nas cobranças, foi nomeada para o posto em outubro de 2017 para o lugar de Jorge Glas, que foi preso preventivamente por suposta participação no grande caso de corrupção internacional envolvendo a Odebrecht.