Topo

Maduro chega à Rússia em viagem surpresa para se reunir com Putin

04/12/2018 13h36

Moscou, 4 dez (EFE).- O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chegou nesta terça-feira à Rússia em uma visita surpresa para se reunir com o governante russo, Vladimir Putin, a fim de reforçar a cooperação econômica bilateral em tempos de crise no país sul-americano.

"As conversas visam reforçar o desenvolvimento da associação estratégica existente entre Rússia e Venezuela. Certamente, também serão abordados assuntos concretos para o desenvolvimento dos laços comerciais e investidores, e também a atual agenda internacional", disse em entrevista coletiva Yuri Ushakov.

Putin, que acaba de retornar da cúpula do G20 em Buenos Aires, receberá nesta quarta-feira o presidente venezuelano no Kremlin, segundo informou Dmitry Peskov, o porta-voz presidencial.

Ushakov acrescentou que ambos também falarão sobre "a cooperação técnico-militar" e que Putin confirmará o apoio do Kremlin à "regulação pacífica" das atuais tensões políticas na Venezuela.

"Estamos convictos que qualquer pressão externa contra o governo de Maduro é contraproducente e não contribuirá para acalmar a situação e fornecer estabilidade ao país. Também confiamos que as eleições municipais de 9 de dezembro transcorrerão em um ambiente tranquilo, sem provocações nem violações", afirmou.

Antes de viajar para Moscou, Maduro explicou que se propõe a revisar "a fundo" a cooperação durante uma reunião de trabalho com Putin que classificou como "necessária" para Caracas.

O governante venezuelano destacou que a visita faz parte da política diplomática de fortalecer laços "com as potências emergentes do mundo". Além de se reunir com o chefe do Kremlin, Maduro também participará do encerramento da Comissão de Alto Nível Rússia-Venezuela.

A maior petroleira russa, Rosneft, que tem muitos interesses na Venezuela, informou nesta terça-feira que participará da reunião no Kremlin.

Ushakov explicou também que ambos os líderes abordarão a situação em torno da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que pode voltar a aprovar nesta semana cortes na produção e tomar medidas para conter a queda dos preços, além do mercado do gás e do petróleo, aspecto "crucial" nas relações bilaterais, segundo o assessor.

A visita de Maduro à Rússia ocorre após o Catar ter anunciado que abandonará a Opep para aumentar a produção, o que já provocou um aumento dos preços do petróleo.

O assessor do Kremlin também destacou que a Rússia já enviou 250 mil toneladas de trigo neste ano ao país latino-americano, que no ano passado assinou com o governo russo um acordo para o fornecimento de 600 mil toneladas de cereais.

Maduro visitou a Rússia pela última vez em outubro do ano passado, quando preparou o terreno para a reestruturação da dívida de US$ 3 bilhões.