PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Netanyahu diz que Israel "se protegerá" após EUA se retirarem da Síria

19/12/2018 16h48

Jerusalém, 19 dez (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanayahu, afirmou nesta quarta-feira que respeita a decisão dos Estados Unidos de retirarem as tropas da Síria e alertou que Israel "se protegerá" diante da nova situação.

"Esta é, certamente, a decisão dos Estados Unidos. Israel defenderá sua segurança para se proteger nesta frente", declarou em comunicado.

O governo americano anunciou mais cedo a intenção de retirar imediatamente da Síria os dois mil soldados que combatem o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no país.

Netanyahu revelou que na segunda-feira conversou por telefone com o presidente dos EUA, Donald Trump, e o secretário de Estado, Mike Pompeo, sobre esta decisão.

"O governo americano me informou sobre a intenção do presidente de retirar as suas tropas da Síria. Esclareceu que há outras formas de exercer a sua influência neste cenário", acrescentou.

As tropas americanas lideram desde 2014 a coalizão internacional contra o terrorismo jihadista.

"Derrotamos o EI na Síria, a única razão para estarmos lá durante a presidência", afirmou Trump em sua conta no Twitter nesta quarta-feira.

Netanyahu garantiu que estudará o calendário de saída dos EUA, a implementação e as implicações que essa decisão terá para Israel, preocupado com a crescente influência do Irã, aliado do regime sírio, no país vizinho.

Para os especialistas israelenses, a saída americana daria o controle total da Síria às forças do presidente sírio, Bashar al Assad, ao seu aliado iraniano e ao grupo xiita libanês Hezbollah.

"Principalmente os iranianos terão poder e se sentirão muito mais fortes", avaliou o ex-diretor geral do Ministério de Assuntos Estratégicos de Israel, Yossi Kuperwasser.

Até o momento, Israel teve certa liberdade de atuação na Síria mediante bombardeios contra alvos para impedir que o Irã aumente a sua presença militar na Síria. EFE

Internacional