PUBLICIDADE
Topo

Papa aceita renúncia de bispo americano por "conduta indevida com menor"

19/12/2018 11h16

Roma, 19 dez (EFE).- O papa Francisco aceitou a renúncia do bispo auxiliar de Los Angeles, Alexander Salazar, denunciado em 2005 por "conduta indevida com um menor de idade", caso que foi investigado, mas não julgado, informou em carta o arcebispo de Los Angeles, José H. Gómez.

O Vaticano enviou à imprensa a carta do arcebispo explicando que "em 2005, um ano depois de ter se tornado bispo, a arquidiocese teve conhecimento de uma denúncia contra o bispo Salazar por conduta indevida com um menor".

"Apesar da acusação nunca ter sido reportada diretamente à arquidiocese, foi investigada pela Polícia em 2002 e o promotor de distrito não deu sequência", acrescentou.

Gómez informou que a acusação contra o bispo Salazar tem origem em uma suposta conduta indevida na década de 90, quando era padre.

"Como era bispo no momento em que a denúncia foi recebida, a arquidiocese remeteu o assunto à Congregação para a Doutrina da Fé da Santa Sé, que realizou uma investigação e determinou medidas de precaução ao ministério do bispo Salazar", conforme a carta.

O arcebispo lembrou que Salazar sempre negou "qualquer ato imoral", mas destacou que ele mesmo solicitou e recebeu permissão da Congregação para os Bispos da Santa Sé para apresentar a acusação diante do Comitê de Supervisão de Má Conduta do Clero, uma junta independente da arquidiocese.

"O Comitê decidiu que a acusação era crível e apresentei as suas conclusões e recomendações junto com o meu próprio voto na Santa Sé para que avaliasse a decisão final", ressaltou.

A decisão foi divulgada um dia depois de o comitê organizador do encontro sobre os abusos do clero, que será realizada em Vaticano do 21 a 24 de fevereiro de 2019, pedir aos presidentes das conferências episcopais que preparem esta reunião com visitas às vítimas dos seus respectivos países.

Nesta inédita reunião, já que na história da Igreja Católica nunca tinha feito este tipo de convocação, além dos representantes das 130 Conferências Episcopais, participarão vítimas dos abusos por parte do clero. EFE