PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Em carta de Ano Novo, Putin diz a Trump que Rússia está aberta ao diálogo

Presidente dos EUA, Donald Trump, encontra-se com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Helsinque, Finlândia - EUTERS/Kevin Lamarque
Presidente dos EUA, Donald Trump, encontra-se com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Helsinque, Finlândia Imagem: EUTERS/Kevin Lamarque

Em Moscou

30/12/2018 09h36

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou em carta de Ano Novo enviada ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que seu país está aberto ao diálogo, apesar dos desencontros ocorridos nas últimas semanas.

"Putin ressaltou que as relações russo-americanas são um importante fator de estabilidade estratégica e segurança internacional", diz a carta, divulgada neste domingo pelo Kremlin.

Além disso, Putin declarou que "a Rússia está aberta ao diálogo com os EUA" em um amplo leque de assuntos da agenda bilateral e internacional.

Trump cancelou de última hora uma reunião com Putin prevista para 1º de dezembro em Buenos Aires, durante a cúpula do G20, devido ao incidente naval entre russos e ucranianos no mar Negro.

Enquanto a Ucrânia e o Ocidente classificaram como "agressão" a captura de três navios ucranianos pela guarda costeira russa, Putin defendeu o uso da força e chamou o incidente de "provocação" por parte de Kiev.

Recentemente, o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Riabkov, disse ser "muito necessária" a realização, em 2019, de uma reunião entre Putin e Trump.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, acusou a elite política americana de minar as tentativas de Trump de estabilizar as relações com o Kremlin.

Devido à falta de contatos, também ficou suspensa a possível visita de Putin aos EUA no primeiro semestre de 2019 e a de Trump à Rússia.

Na semana passada, em sua entrevista coletiva anual, Putin acusou os EUA de aumentarem o risco de uma guerra nuclear ao deixarem os tratados de desarmamento, mas elogiou a decisão de Trump de retirar as tropas americanas da Síria, embora tenha colocado em dúvida se essa manobra será completada. EFE

Internacional