PUBLICIDADE
Topo

Aviação iraquiana bombardeia grupo de 30 líderes do EI em território sírio

31/12/2018 14h08

Bagdá, 31 dez (EFE).- As forças conjuntas iraquianas anunciaram nesta segunda-feira que aviões do exército bombardearam "uma reunião de 30 líderes do grupo terrorista Estado Islâmico (EI)" na região de Susa, em território sírio, perto da fronteira entre os dois países árabes.

O Comando de Operações Conjuntas iraquiano, integrado pelo exército, a polícia e outros corpos de segurança, detalhou em comunicado que aviões F-16 iraquianos desferiram "um golpe doloroso" contra os jihadistas nessa região síria.

O porta-voz do comando militar, Yehia Rasul, informou que o alvo do ataque foi "um imóvel de dois andares que era usado como esconderijo pelos terroristas e para reuniões".

Além disso, acrescentou que o alvo foi "destruído totalmente", mas não detalhou se os líderes do EI morreram no bombardeio ou se houve outras vítimas.

Segundo a nota, o ataque foi lançado enquanto acontecia uma "reunião de 30 líderes importantes das células do EI", mas não especificou a data do mesmo.

A aviação iraquiana realizou ataques parecidos contra alvos do EI em território sírio desde o anúncio da derrota militar do grupo radical em solo iraquiano em dezembro de 2017.

O Iraque conta com a autorização da Síria para atuar no seu território e os dois países se coordenam na luta contra o EI, que ocupou amplas partes de ambos Estados em 2014 e declarou um "califado" nas regiões que controlava.

O presidente sírio, Bashar al Assad, recebeu no último dia 29 em Damasco o assessor de Segurança Nacional iraquiano, Faleh al Qiyad, com o qual abordou "a importância de continuar a coordenação em todos os âmbitos e especialmente na guerra contra o terrorismo, sobretudo na fronteira entre os dois países", segundo a agência de notícias estatal síria "Sana".

A agência acrescentou que Assad destacou a importância de continuar essa cooperação e coordenação até "acabar com os últimos terroristas que restam em várias zonas do Iraque e da Síria". EFE