Topo

Fayulu recorre de resultado eleitoral e pede apuração manual dos votos na RDC

2019-01-12T13:13:00

12/01/2019 13h13

Kinshasa, 12 jan (EFE).- Os advogados do opositor Martin Fayulu, derrotado nas eleições presidenciais da República Democrática do Congo (RDC) apesar de aparecer como favorito nas pesquisas, recorreram neste sábado do resultado diante do Tribunal Constitucional e pediram uma apuração manual dos votos.

"Exijo a apuração manual dos votos para as eleições", afirmou o candidato em sua conta do Twitter, embora finalmente seus advogados tenham comparecido para entrar com o recurso, depois que as forças policiais ordenaram aos simpatizantes do mesmo que se dispersassem.

Fayulu assegurou na sexta-feira que sua formação obteve 61% dos votos no pleito de 30 de dezembro e não 34,86%, segundo os números da Comissão Eleitoral (CENI), que deu a vitória ao também opositor Félix Tshisekedi, com 38,57% dos apoios.

"Os resultados proclamados pela CENI não correspondem com a verdade das urnas. Foram construídos desde zero, por isso que é preciso revisar", continuou Fayulu em sua conta do Twitter, depois de ter dito nesta quinta-feira que eram "fabricados e inventados".

A CENI, por sua vez, anunciou hoje o resultado das eleições legislativas, outorgando a vitória parlamentar ao oficialismo, com mais de 250 deputados - de um total de 500 -.

A coalizão de Tshisekedi obteve menos de 50 cadeiras, por isso que se for confirmada sua vitória eleitoral, não poderá nomear um primeiro-ministro sem conseguir primeiro uma aliança, enquanto a de Fayulu obteve 59.

O pleito de 30 de dezembro colocou fim a dois anos de atrasos e incerteza, desde que o presidente Kabila - no poder nos últimos 18 anos - concluiu por lei o seu segundo e último mandato.

Se de fato ocorrer a transferência de poder, seria a primeira transição pacífica na RDC - com uma história salpicada por golpes de Estado, assassinatos e guerras civis - desde sua independência da Bélgica, em 1960. EFE

Mais Internacional