Topo

Especialistas da ONU pedem que Bélgica reconheça passado colonial e violento

11/02/2019 14h25

Bruxelas, 11 fev (EFE).- Um grupo de especialistas das Nações Unidas pediu nesta segunda-feira à Bélgica que "reconheça o verdadeiro alcance de violência e injustiça" de seu passado colonial, a fim de fazer frente às raízes do racismo sofrido por pessoas de origem africana no país.

"O Governo da Bélgica tem que adotar um plano de ação nacional integral contra o racismo", indicou em comunicado o presidente do grupo de especialistas da ONU sobre pessoas de origem africana, Michal Balcerzak.

Este grupo de especialistas concluiu hoje uma visita à Bélgica durante a qual encontrou "claras evidências de que a discriminação racial é endêmica nas instituições" do país.

Assim, a população de ascendência africana enfrenta "discriminação" na hora de desfrutar de seus direitos econômicos, sociais e culturais, assim como no acesso ao mercado imobiliário e "degradação" nas suas oportunidades trabalhistas.

O grupo expressou igualmente "preocupação" que o discurso público não reflita as matizes históricas e pediu a revisão de livros de texto e material educativo para assegurar que recolhem "com precisão" fatos relacionados com "tragédias e atrocidades cometidas durante a era colonial", quando a Bélgica tinha sob seu controle o Congo.

Os especialistas apresentarão o relatório e uma série de recomendações diante do Conselho de Direitos Humanos da ONU em setembro. EFE

Mais Internacional