PUBLICIDADE
Topo

Sobe para 70 o número de mortos no incêndio em Daca

21/02/2019 06h47

(Atualiza com número de vítimas e acrescenta detalhes).

Daca, 21 fev (EFE).- O número de mortos por conta de um incêndio de grandes proporções ocorrido no final da noite de quarta-feira em um bairro da parte antiga de Daca, capital de Bangladesh, que se espalhou por vários imóveis após começar em um edifício da região, subiu para 70 e o de feridos chegam a 55.

"Pelo menos 70 pessoas foram mortas no incidente", disse hoje à Agência Efe, o porta-voz do Corpo de Bombeiros da capital, Kamrul Hassan, sobre o incêndio que devastou parte do bairro de Chawkbazar, além de atingir sete edifícios e vários estabelecimentos.

Várias pessoas, incluindo mulheres e crianças ficaram feridas e foram transferidas para diversos hospitais da região.

No Hospital Universitário de Daca ingressaram 55 feridos, dos quais 18 foram encaminhados para a área de queimados e 37 estão no setor de emergências, disse à Efe, um porta-voz da sala de controle do centro médico, Bacch Mia.

De acordo com o cirurgião Partha Sankar, nove dos pacientes que permanecem na área de queimados estão em estado crítico com queimaduras 10% e 60% do corpo, por isso todos eles seguem com risco de morte.

"Liberamos dois pacientes depois de aplicar os primeiros socorros, outros sete que haviam pulado do prédio foram transferidos para outra unidade do hospital", concluiu.

O incêndio começou por volta das 22h45 (hora local) de ontem, em um edifício de cinco andares conhecido como Haji Wahed Mansion, onde se encontrava um armazém de produtos de plástico, que horas depois de ser arrasado pelas chamas, começou a ficar inclinado, enquanto o fogo se espalhava para os prédios vizinhos.

As causas do incêndio ainda são desconhecidas.

"Ordenamos uma investigação e esperamos que os resultados sejam divulgados em breve", disse o ministro do Interior de Bangladesh, Asaduzzaman Khan, sem apresentar mais detalhes.

A área do desastre está localizada perto de Nimtoli, também na parte antiga da capital, onde no ano de 2010 morreram 124 pessoas por um incêndio similar que teve início em uma fábrica de produtos químicos. EFE