PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Ajuda do Brasil segue na fronteira à espera de entrar na Venezuela

23/02/2019 14h56

Pacaraima (RR), 23 fev (EFE).- As duas grandes caminhonetes que transportam a primeira remessa de ajuda humanitária do Brasil para a Venezuela continuam paradas neste sábado na linha de fronteira entre os dois países, na cidade de Pacaraima (RR), à espera de poder entrar em território venezuelano.

Os dois veículos, com placas A05AI5N e A64AI5N, ambas do estado venezuelano de Monagas, estão estacionados em uma área considerada neutra, mas a 300 metros do posto de controle fronteiriço venezuelano, onde militares da Venezuela fazem a segurança e impedem a passagem, segundo pôde constatar a Agência Efe.

Até agora, os veículos sequer tentaram entrar em território venezuelano.

De acordo com fontes venezuelanas, as pessoas que estão em volta dos dois veículos com alimentos e remédios esperam a chegada de uma manifestação do outro lado da divisa, do interior da Venezuela.

Nesse protesto participam, aparentemente, vários deputados antichavistas, que estariam instalados em Santa Elena de Uairén, no estado de Bolívar, mas, por enquanto, não chegaram ao limite fronteiriço, conforme soube a Efe.

Uma primeira caminhonete chegou na manhã deste sábado a Pacaraima e a segunda chegou horas depois devido a alguns problemas com o veículo durante o trajeto de 220 quilômetros entre Boa Vista e a passagem fronteiriça.

Na região neutra onde estão estacionadas as duas caminhonetes, há uma bandeira do Brasil e outra Venezuela. O ponto exato onde eles estão é ao lado da bandeira venezuelana, mas toda a área é considerada neutra, com o posto fronteiriço venezuelano a cerca de 300 metros de distância, segundo constatou um jornalista da Efe.

Por outro lado, o presidente da Assembleia Nacional (parlamento) da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país e está na Colômbia, garantiu que a primeira carga de ajuda humanitária vinda do Brasil já teria entrado em território venezuelano, apesar do fechamento da fronteira ordenado por Nicolás Maduro.

"Anunciamos oficialmente que a primeira remessa de ajuda humanitária JÁ ENTROU por nossa fronteira com o Brasil", escreveu Guaidó no Twitter, que hoje compareceu ao centro de armazenamento de ajuda humanitária na ponte Tienditas, que liga a cidade colombiana de Cúcuta com a venezuelana de Ureña.

Além disso, segundo a oposição venezuelana, nas próximas horas chegará ao litoral do país uma embarcação com toneladas de ajuda humanitária vindas das Antilhas holandesas no Mar do Caribe. EFE

Internacional