PUBLICIDADE
Topo

Duque visita pontes na fronteira com a Venezuela para constatar "barbárie"

24/02/2019 16h39

Cúcuta (Colômbia), 24 fev (EFE).- O presidente da Colômbia, Iván Duque, visitou neste domingo duas das pontes fronteiriças com a Venezuela para constatar o que qualificou de "barbárie" durante a tentativa de envio de ajuda humanitária ao país vizinho e avaliar os danos.

"Olhem esta barbárie. Ontem o que vimos foi uma ditadura atacando seus filhos, os filhos do seu próprio país para evitar que levassem remédios e alimentos a seus familiares", disse Duque após visitar a ponte Francisco de Paula Santander.

No local, que liga a cidade colombiana de Cúcuta com a venezuelana de Ureña, o presidente reiterou que tomou a decisão de fechar as passagens fronteiriças no departamento de Norte de Santander, do qual Cúcuta é a capital, "por 48 horas para limpar e avaliar todos os danos que foram causados".

A primeira tentativa da comunidade internacional de levar à Venezuela ajuda humanitária através da fronteira com a Colômbia terminou ontem em violentos confrontos com a polícia venezuelana nas passagens fronteiriças que deixaram pelo menos 285 feridos.

"Eu pedi que os voluntários não continuassem arriscando mais suas vidas diante destes atos de barbárie e que devolvessem os caminhões. Os veículos chegaram ao nosso posto de armazenamento e foram descarregados", afirmou o presidente colombiano.

Duque, que também visitou a ponte Simón Bolívar, esteve acompanhado da vice-presidente, Marta Lucía Ramírez; o chanceler, Carlos Holmes Trujillo, e os ministros da Saúde, Juan Pablo Uribe, e da Defesa, Guillermo Botero.

Precisamente, Botero explicou ontem que dos 14 caminhões que foram carregados na ponte Tienditas com 20 toneladas de ajuda cada um, só oito conseguiram sair rumo à Venezuela.

Destes, indicou, "quatro saíram com destino à ponte Simón Bolívar e quatro para a ponte Francisco de Paula Santander".

O ministro detalhou que "os caminhões que chegaram a Ureña conseguiram cruzar a fronteira. Três deles entraram na Venezuela e um ficou na Colômbia ".

No entanto, "dois deles foram incinerados e um permanece na Venezuela. Eram caminhões com placa venezuelana, mas sua carga foi retirada para preservá-la", disse Botero. EFE