PUBLICIDADE
Topo

Avião militar cai em área rural no sudoeste de Cuba

26/02/2019 19h45

(Atualiza com mais informações).

Havana, 26 fev (EFE).- Um avião militar caiu nesta terça-feira em uma área rural do município cubano de Güira de Melena, no sudoeste de Cuba, aparentemente sem causar mortes, confirmou o Ministério das Forças Armadas do país.

A aeronave caiu em uma região conhecida como "La Cachimba", a cerca de 40 quilômetros de Havana, pouco após o piloto ejetar. O incidente ocorreu por "problemas técnicos" durante um exercício de combate, segundo o governo cubano, que determinou a abertura de uma investigação para investigar as causas do acidente.

O piloto está em boas condições de saúde. A aeronave não atingiu nenhuma infraestrutura da região na hora da queda.

O Ministério das Forças Armadas de Cuba também confirmou que o avião que caiu era um Mig-21, caça supersônico fabricado pela então União Soviética na década de 1950.

Uma testemunha ouvida pela Agência Efe relatou que o avião passou em chamas sobre o município, de aproximadamente 40 mil habitantes, antes de cair em uma área sem casas.

"O avião estava pegando fogo e o piloto fez um ato heroico, conseguiu salvar a cidade. Depois ouvimos uma explosão muito forte", explicou.

Em abril de 2017, oito militares, incluindo a tripulação, morreram na queda de um avião militar AN-26, também de fabricação russa e pertencente às Forças Armadas Revolucionárias de Cuba a 70 quilômetros de Havana.

O último acidente aéreo registrado em Cuba aconteceu no dia 18 de maio do ano passado, quando um Boeing 737-200 arrendado pela companhia aérea Cubana de Aviación à mexicana Global Air caiu minutos depois de decolar do aeroporto de Havana com destino à cidade de Holguín.

O acidente deixou 112 mortos, 101 eram cubanos e 11 estrangeiros. A única sobrevivente foi uma jovem cubana que ainda permanece internada em um hospital da capital em processo de recuperação dos graves ferimentos sofridos. Nove meses depois ainda não foram divulgadas publicamente as causas desse acidente. EFE