PUBLICIDADE
Topo

Cantor R. Kelly se declara inocente de abusos sexuais a três menores

26/02/2019 09h54

Washington, 25 fev (EFE).- O cantor R. Kelly se declarou inocente nesta segunda-feira de uma das acusações por abusos sexuais a três menores de idade e que ganhou liberdade após o pagamento de uma fiança de US$ 100 mil.

R.Kelly deixou a prisão de Chicago na tarde de segunda-feira e não deu declarações aos inúmeros jornalistas que o aguardavam do lado de fora.

A promotora encarregada do caso, Kimberly Foxx, indicou que as dez acusações criminais contra o cantor se referem a quatro vítimas, três das quais tinham no momento dos fatos menos de 17 anos.

Se for declarado culpado, R. Kelly pode ser condenado a entre três e sete anos de prisão por cada uma das acusações.

O artista, que se entregou às autoridades na sexta-feira depois de anunciar as acusações contra si e que passou o fim de semana na prisão, negou o tempo todo ter cometido algum crime.

O advogado Michael Avenatti diz ter entregue à Promotoria uma fita de vídeo na qual supostamente Kelly aparece mantendo relações sexuais com uma das vítimas, uma jovem de 14 anos.

A promotora Foxx pediu publicamente às supostas vítimas de Kelly que testemunhem para facilitar as investigações.

Kelly, ganhador de três prêmios Grammy, negou constantemente as várias acusações de abuso sexual e de pedofilia das quais foi alvo ao longo dos últimos anos.

Nas passadas semanas, o caso cobrou notoriedade devido à transmissão de um documentário que levou as autoridades a se interessar de novo por estes crimes.

"Surviving R. Kelly" é o título do documentário de seis episódios que foi transmitido pelo canal Lifetime em janeiro sobre este artista de R&B que alcançou fama nos anos 90.

Quando tinha 27 anos, o artista se casou de maneira ilegal com a cantora Aaliyah, que tinha apenas 15 anos.

Em 2002 vazou um vídeo no qual Kelly supostamente aparecia mantendo relações sexuais com uma menor, mas em 2008 foi absolvido no julgamento por este caso no qual foi acusado de pornografia infantil. EFE