PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Venezuela sofreu "agressão" da Colômbia na fronteira, diz Maduro

"No sábado, 23 de fevereiro, a Venezuela sofreu uma agressão por parte do governo colombiano nas pontes fronteiriças do estado de Táchira", disse o líder venezuelano - Palácio de Miraflores/via Reuters
"No sábado, 23 de fevereiro, a Venezuela sofreu uma agressão por parte do governo colombiano nas pontes fronteiriças do estado de Táchira", disse o líder venezuelano Imagem: Palácio de Miraflores/via Reuters

26/02/2019 21h17

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira que seu país sofreu uma "agressão" do governo colombiano no sábado passado, quando a oposição realizou uma operação para tentar fazer entrar no país várias toneladas de ajuda humanitária que estão armazenadas na cidade fronteiriça de Cúcuta.

"No sábado, 23 de fevereiro, a Venezuela sofreu uma agressão por parte do governo colombiano nas pontes fronteiriças do estado de Táchira", disse Maduro durante a sua participação no ato de encerramento da Assembleia Internacional dos Povos, realizada em Caracas.

Nesse dia, que esteve precedido pela ordem de Maduro de fechar a fronteira com Brasil e Colômbia, dois caminhões com doações de alimentos e material médico foram queimados na ponte binacional Francisco de Paula Santander, em meio à troca de acusações.

A oposição assegurou então que o governo de Maduro queimou os caminhões, mas o ministro de Informação da Venezuela, Jorge Rodríguez, afirmou no domingo, mostrando vários vídeos, que os próprios opositores de Maduro queimaram as doações.

O presidente venezuelano divulgou novamente os vídeos e disse que os caminhões foram queimados por "ordem" do presidente colombiano, Iván Duque, para disparar uma "escalada" na tensão bilateral e provocar confrontos armados.

Nesse sentido, declarou que muitos dos manifestantes que tentaram ingressar doações na Venezuela eram "delinquentes contratados", muitos deles de cidades tão distantes de Cúcuta como Medellín, uma região que, segundo disse, é "famosa" pelo falecido narcotraficante Pablo Escobar.

Além disso, Maduro afirmou que a "agressão" colombiana "levou à ruína a passagem fronteiriça", fechada desde a noite de sexta-feira e com a troca comercial fortemente restringida desde então. 

Internacional