PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Índia anuncia abate de caça paquistanês e perda de avião próprio em combate

27/02/2019 09h28

(Corrige dia da semana).

Nova Délhi, 27 fev (EFE).- A Índia anunciou nesta quarta-feira ter derrubado um caça paquistanês e ter perdido uma aeronave própria em um "combate aéreo", que deixou o piloto desaparecido.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Raveesh Kumar, disse em um pronunciamento para a imprensa que nesta manhã um avião de combate das Forças Aéreas do Paquistão foi derrubado por um MiG-21 Bison das Forças Aéreas indianas.

"Neste combate, infelizmente, perdemos um MiG-21. O piloto está desaparecido", revelou o porta-voz, que acrescentou que as autoridades estão tentando confirmar se o militar está em poder dos paquistaneses, como afirma o governo.

Conforme a versão indiana, o "combate aéreo" aconteceu quando o Paquistão tentou atacar "instalações militares no lado indiano", depois de vários caças das Forças Aéreas indianas bombardearem ontem um suposto acampamento em território paquistanês do grupo insurgente Jaish-e-Mohammed (JeM).

"Devido ao nosso alto nível de preparo e alerta, as tentativas do Paquistão foram frustradas com sucesso", concluiu Kumar.

O grupo terrorista JeM, com base no Paquistão, reivindicou o ataque de duas semanas atrás contra tropas da Índia na Caxemira indiana, numa ação que deixou 42 agentes mortos.

A Índia tinha dito ontem que com o bombardeio contra o acampamento terrorista matou uma grande quantidade de importantes comandantes e guerrilheiros do JeM, mas o Paquistão mantém que a ação não causou baixas nem danos.

Hoje, o governo paquistanês anunciou ter derrubado dois caças indianos dentro do seu espaço aéreo, um deles caiu no lado paquistanês da Caxemira e o outro no lado indiano. De acordo com o porta-voz do Exército paquistanês, general Asif Ghafoor, dois pilotos indianos foram detidos.

A região está em disputada pelos dois países desde 1947.

Em diversas ocasiões, a Índia acusou o Paquistão de apoiar o "terrorismo além da fronteira" e de permitir e patrocinar o funcionamento no seu território de grupos terroristas que têm como finalidade atacar alvos indianos e atiçar os protestos separatistas entre a população. EFE

Internacional