PUBLICIDADE
Topo

Mais de cem pessoas se candidatam para cargo de carrasco no Sri Lanka

28/02/2019 10h15

Colombo, 28 fev (EFE).- As autoridades penitenciárias do Sri Lanka receberam 102 candidatos dispostos a trabalhar como carrascos, incluindo um cidadão americano, depois que o Governo decidiu retomar a aplicação da pena de morte contra narcotraficantes, afirmou nesta quinta-feira à Agência Efe uma fonte oficial.

"Agora vamos processar as candidaturas e recrutar dois candidatos adequados daqui a pouco", explicou o porta-voz do Departamento de Prisões da nação ilhoa, Thushara Upuldeniya.

No entanto, o americano foi desqualificado imediatamente. "Segundo os requerimentos, os candidatos devem ser cidadão do país", disse o porta-voz, sem fornecer mais detalhes sobre a identidade do candidato a carrasco.

O Sri Lanka procura cobrir o posto, que esteve vago durante anos em um país que não aplica a pena capital há quase meio século, com dois homens de "excelente caráter moral" de entre 18 e 45 anos e que não tenham sido condenados por crimes ou faltas de gravidade.

Não é a primeira vez que as autoridades tratam de encontrar carrascos, mas em várias ocasiões durante os últimos anos os candidatos selecionados abandonaram a vaga antes inclusive de acabar a formação.

O presidente do país, Maithripala Sirisena, propôs aplicar a pena de morte aos delinquentes reincidentes em casos de narcotráfico, por isso foi necessário importar corda especial para as execuções e buscar carrascos.

A pena capital segue vigente na ilha para crimes como alta traição, assassinato e tráfico de drogas, embora a última autorização presidencial necessária para a aplicação de uma condenação que ocorreu em 1976, por isso que na prática se comuta por prisão perpétua. EFE