PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump diz que Michael Cohen "mentiu", mas não sobre ingerência russa

28/02/2019 08h47

Hanói, 28 fev (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que seu ex-advogado Michael Cohen "mentiu muito" e disse coisas "incorretas" sobre ele em seu comparecimento desta quarta-feira diante do Congresso, mas garantiu que falou a verdade ao afirmar que sua campanha eleitoral em 2016 não colaborou com o Governo da Rússia.

Questionado durante entrevista coletiva em Hanói sobre as palavras proferidas por Cohen diante do Comitê de Supervisão e Reforma da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos sobre ser "racista, vigarista e uma fraude", Trump disse que são informações "incorretas"

"Mentiu muito, mas é muito interessante, porque não mentiu sobre uma coisa. Disse que não houve conspiração no caso de uma suposta ingerência da Rússia" nas eleições de 2016, indicou o líder.

Trump, que disse ter seguido o que foi possível do comparecimento de Cohen - apesar de ter começado às 22h em Hanói -, garantiu que perguntou "por que não mentiu sobre isso também, como fez com o resto".

"Disse que não houve conspiração, e isso me impressionou um pouco, francamente", reconheceu.

O presidente tachou de "vergonhoso" o restante do testemunho de Cohen e lamentou que essa audiência diante do Congresso foi programada "durante uma cúpula tão importante", algo que considerou "terrível" e "incrível".

O ex-advogado de Trump, que em maio será preso para cumprir com uma condenação de três anos ditada em dezembro por seu papel durante a campanha eleitoral de 2016, testemunhou nesta quarta-feira diante desse comitê no único comparecimento público dos três que fará nesta semana no Congresso dos Estados Unidos.

Cohen afirmou que Trump sabia que um de seus colaboradores, Roger Stone, estava em contato com o WikiLeaks para a publicação de milhares dos e-mails do Partido Democrata que afetaram a campanha de sua rival nas eleições presidenciais de 2016, Hillary Clinton.

Também detalhou supostos comentários racistas que Trump fez em privado diante dele.

"Um dia estávamos passando de carro por um bairro de Chicago e comentou que só as pessoas negras poderiam viver dessa maneira. Também me disse que as pessoas negras nunca votariam nele porque são estúpidas demais", rememorou Cohen. EFE

Internacional