PUBLICIDADE
Topo

Boeing reitera segurança do 737 MAX e cita aprovação de agência dos EUA

12/03/2019 16h55

Nova York, 12 mar (EFE).- A companhia americana Boeing reiterou nesta terça-feira a segurança de sua linha de aviões 737 MAX e argumentou que a agência de aviação civil dos Estados Unidos (FAA) manteve a condição de "aeronavegável" para as aeronaves, alegando que "não há razões para emitir novas diretrizes aos operadores".

Apenas dois dias após o acidente com um Boeing 737 MAX 8 na Etiópia que causou a morte de 157 pessoas, a empresa americana enfrenta uma grave crise, com a perspectiva de sofrer um prejuízo de US$ 30 bilhões, em meio a uma onda de proibições do modelo em diversos países, assim como por parte de algumas companhias aéreas, como a brasileira Gol.

"A segurança é a prioridade número um da Boeing e temos total confiança na segurança do 737 MAX. Entendemos que as agências reguladoras e clientes tenham tomado decisões que acreditam ser apropriadas para seus mercados domésticos", disse a companhia em comunicado após a suspensão anunciada pela Agência Europeia de Segurança Aérea.

"(A FAA) não está ordenando nenhuma nova ação neste momento, e com base nas informações disponíveis atualmente, não temos razões para divulgar novas diretrizes aos operadores", acrescentou a fabricante de aviões com sede em Chicago (EUA).

A autoridade de aviação civil americana e a Direção Nacional de Segurança no Transporte (NTSB) têm equipes na Etiópia coletando dados e mantendo contato com outros órgãos de aviação para esclarecer as causas do acidente aéreo. EFE