PUBLICIDADE
Topo

Lion Air congela pedido de aviões Boeing 737 MAX 8 após acidentes

13/03/2019 11h48

Jacarta, 13 mar (EFE).- A companhia aérea indonésia Lion Air confirmou nesta quarta-feira que suspendeu temporariamente um pedido de quatro aviões Boeing 737 Max 8 após os acidentes ocorridos com este modelo na Indonésia e na Etiópia.

A informação foi anunciada por um dos diretores da Lion Air, Daniel Putut, durante entrevista coletiva organizada pelo Ministério dos Transportes em Jacarta na qual detalhou que o pedido estipulado para maio foi adiado.

Putut explicou que a companhia aérea aguardará até que sejam esclarecidos os motivos do acidente na Indonésia, onde em outubro do ano passado um avião deste modelo operado pela Lion Air caiu e matou 189 pessoas.

Ontem, o diretor revelou que a empresa indonésia questiona há meses a viabilidade do total do pedido de 218 aviões 737 Max 8 que a companhia aérea deve receber da fabricante americana nos próximos anos, segundo o portal "Tirto".

As declarações de Putut chegam em meio a uma crise global para a Boeing após o acidente do domingo passado, no qual uma aeronave 737 Max 8 caiu na Etiópia e provocou 157 mortes. Dezenas de países e companhias aéreas suspenderam as operações deste modelo ou proibiram a sua circulação no espaço aéreo.

Lion Air, a maior companhia áerea de baixo custo da Indonésia, conta atualmente com dez 737 Max 8 na frota, enquanto a companhia aérea nacional Garuda Airlines opera uma aeronave deste mesmo modelo.

Durante a entrevista coletiva, a diretora-geral de Aviação Civil do Ministério dos Transportes, Polana B. Pramesti, afirmou que a proibição de voar imposta aos 737 Max 8 na segunda-feira será mantida por pelo menos uma semana enquanto são realizadas inspeções nos aviões.

Pramesti acrescentou que a Indonésia está disposta a enviar uma equipe de especialistas para ajudar na investigação do acidente na Etiópia caso as autoridades etíopes precisem, segundo um comunicado do ministério.

As investigações do acidente na Indonésia apontam, entre vários fatores, para um software do sistema MCAS dos 737 Max que, sob determinadas circunstâncias, inclina para baixo o nariz do avião quando detecta que não há velocidade suficiente para se manter no ar. EFE