PUBLICIDADE
Topo

Combate entre Governo e leais a ex-senhor da guerra paralisa cidade afegã

14/03/2019 11h48

Cabul, 14 mar (EFE).- A nomeação de um novo chefe de polícia para a província de Balkh, no norte do Afeganistão, desencadeou um enfrentamento armado entre as forças de segurança governamentais e homens armados leais a um antigo governador e ex-senhor da guerra que paralisou a vida diária de uma cidade (Balkh).

O novo líder entrou na sede central da polícia na capital provincial, Mazar-e Sharif, escoltado por um grupo das forças especiais quando foi atacado por dezenas de homens armados.

"Um grupo de homens armados atacou as forças de segurança e as forças especiais perto do quartel da polícia. Um policial ficou ferido", afirmou à Agência Efe o porta-voz do Ministério do Interior, Nasrat Rahimi.

Segundo a fonte, após o confronto inicial as autoridades conseguiram prender 25 agressores e desdobraram forças de segurança na cidade para controlar a região.

A decisão de trocar o responsável policial da província foi tomada pelo Governo "para melhorar a situação de segurança em Balkh", revelou hoje o Ministério do Interior em comunicado, após reportes crescentes de insegurança e de um aumento no número de homens armados na região.

Mas a medida enfrentou a resistência do antigo governador de Balkh e ex-senhor da guerra Atta Muhammad Noor, que, além disso, é um líder opositor pertencente ao partido Jamiat-e-Islami.

"Peço a todos os residentes de Mazar-e-Sharif (capital provincial) que fiquem em suas casas. As lojas e mercados devem permanecer fechados até novo aviso (...) O Palácio Presidencial esteve conspirando contra nós", lançou Noor no Facebook e Twitter.

Um membro do conselho provincial, Saleh Mauradi, qualificou a situação de "tensa".

"Todas as lojas e escritórios estão fechados e foram ouvidos disparos perto da sede da polícia. Os cidadãos estão em suas casas e a cidade parece vazia", explicou Mauradi.

A explosão de violência acontece em um momento de aproximação das eleições presidenciais, programadas para julho deste ano após o controverso pleito parlamentar de outubro, alvo de acusações de fraude e irregularidades.

Chega também dois dias depois do final da quinta rodada de negociações entre os talibãs e os Estados Unidos com o objetivo de alcançar um pacto que ponha fim a 17 anos de conflito armado no Afeganistão, embora por enquanto não se alcançou um projeto firme de acordo. EFE