PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Senado dos EUA vota sobre declaração de emergência de Trump

14/03/2019 13h07

Washington, 14 mar (EFE).- A sessão para votar uma resolução contra a emergência nacional decretada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para desviar fundos para a construção de um muro na fronteira com o México, começou nesta quinta-feira no Senado, que é controlado pelo Partido Republicano.

Quatro senadores republicanos - Susan Collins, Lisa Murkowski, Thom Tillin e Rand Paul - já anunciaram que votarão a favor da resolução, impulsionada pela maioria democrata da Câmara dos Representantes.

Caso isso se confirme, esses votos pesarão na balança em favor da declaração contra a iniciativa de Trump no Senado, que é formado por 53 republicanos e 47 democratas.

Além dos mencionados, outros senadores republicanos como Marco Rubio, Mitt Romney, Ron Johnson e Ben Sasse, também expressaram preocupação com o conteúdo e o alcance da declaração de Trump nas últimas semanas.

A resolução contra a emergência nacional foi apresentada na Câmara dos Representantes pelo presidente do Caucus Hispânico do Congresso (CHC), Joaquín Castro, com o objetivo de censurar o fato de Trump ter passado por cima da autoridade legislativa dos congressistas, que não tinham aprovado os recursos para o muro que o governante tanto deseja.

A iniciativa foi aprovada em fevereiro em uma votação na Câmara, que é controlada pelo Partido Democrata, por 245 votos a favor e 182 contra.

Se o Senado também der hoje sinal verde para a resolução, Trump tem o poder de vetá-la e devolvê-la ao Congresso, que então precisaria do apoio de dois terços nas duas Casas para revogar o veto presidencial e torná-la efetiva, algo menos provável que ocorra.

De qualquer maneira, o fato de o Congresso mostrar desacordo com Trump representa um revés para a autoridade do governante.

"Uma grande votação sobre a emergência nacional ocorrerá hoje no Senado sobre segurança fronteiriça e o muro (que já está em construção). Estou preparado para vetá-la, se for necessário", advertiu hoje Trump no Twitter, horas antes da votação.

"A fronteira sul é um pesadelo humanitário e de segurança nacional, mas pode ser resolvido facilmente!", acrescentou o presidente.

Apesar da pressão exercida nas últimas semanas pela Casa Branca e pelo líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, tudo indica que os senadores vão aprovar a resolução.

No dia 15 de fevereiro, Trump assinou uma declaração de emergência nacional, uma medida extraordinária que permite aos presidentes acesso temporário a um poder especial para enfrentar uma crise.

Trump justificou sua declaração de emergência na suposta "invasão" de drogas e criminosos através da fronteira com o México.

Com o decreto, o governante pretende reunir US$ 6,6 bilhões desviados de diferentes verbas já aprovadas pelo Congresso, que se somariam aos US$ 1,375 bilhão concedidos pelo Poder Legislativo para construir o muro. EFE

Internacional