PUBLICIDADE
Topo

EUA anunciam que "califado" do EI foi eliminado na Síria

22/03/2019 15h25

Washington, 22 mar (EFE).- O "califado" do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) foi "100%" eliminado da Síria, após os combates em Al Baguz, o último reduto dos extremistas no leste do país, informou nesta sexta-feira a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders.

A porta-voz comunicou a notícia aos jornalistas que acompanhavam o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no avião oficial em sua viagem à Flórida, sem oferecer mais detalhes.

Ao chegar, o próprio Trump, que tinha se reunido durante o voo com o secretário de Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, se dirigiu aos jornalistas para confirmar a notícia.

Da mesma forma que fez há dois dias, o governante voltou a mostrar dois mapas da Síria: um de quando tomou posse do cargo, em janeiro de 2017, no qual aparece marcada em vermelho uma grande parte do território sírio que estava controlada pelo EI, e um segundo, desta sexta-feira, que não tem nenhuma marca.

"Aqui está o EI, e isto é o que temos agora", disse Trump enquanto mostrava os documentos.

Trump realizou uma apresentação similar na quarta-feira passada. No segundo mapa era possível observar apenas um ponto vermelho sobre Al Baguz. De acordo com o presidente, naquela mesma noite seria proclamada a vitória sobre o califado, o que não aconteceu.

Em princípio, a Casa Branca informou que a confirmação da vitória procedia do canal "Fox News", que tem jornalistas no local, mas minutos mais tarde Sanders afirmou que tinham recebido uma ligação do Departamento de Defesa ratificando a notícia. O Pentágono não se pronunciou ao ser procurado pela Agência Efe.

Surpreendentemente, Trump não recorreu às redes sociais para divulgar a notícia, mas escreveu sobre a organização extremista na sua conta pessoal do Twitter.

"O EI utiliza a internet melhor do que quase todos, mas aqueles suscetíveis à propaganda do EI estão sendo alvos de golpes em todos os níveis. Não há nada digno para se admirar neles, sempre tentarão mostrar uma atroz esperança, mas são os perdedores e quase não conseguem respirar. Pensem nisso antes de destruírem as suas vidas e as da sua família", tuitou Trump. EFE