PUBLICIDADE
Topo

FSD afirmam que combatentes do EI resistem, mas já não dominam terreno

22/03/2019 15h13

Damasco, 22 mar (EFE).- O porta-voz das Forças da Síria Democrática (FSD), Mustafa Bali, informou nesta sexta-feira que um grupo de combatentes do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) ainda resiste em pontos da cidade síria de Al Baghuz, mas sem dominar seu território.

O porta-voz das milícias curdas apoiadas pelos Estados Unidos afirmou que o anúncio realizado pela Casa Branca sobre o fim do califado jihadista "não contradiz" as declarações das FSD.

"A declaração da Casa Branca não contradiz nossas declarações. Também dizemos que o Estado Islâmico caiu", disse Bali à Agência Efe, embora tenha especificado que as FSD não preveem anunciar o final do califado até dentro de dois dias, aproximadamente.

No entanto, Bali ressaltou que, "do ponto de vista geográfico, o império do Estado Islâmico caiu".

Os terroristas que permanecem em Al Baghuz estão escondidos em trincheiras e em cavernas aos pés do monte Al Baghuz, que se eleva junto às margens do rio Eufrates, perto da fronteira iraquiana.

"Não falamos de superfície geográfica. Estão em algumas cavernas e trincheiras. E todos estão totalmente cercados. Trabalhamos junto à coalizão internacional para obrigá-los a render-se ou para acabar com eles", acrescentou.

Um comandante das FSD, Adnan Afrin, disse à Efe que aviões da coalizão internacional bombardearam os esconderijos dos terroristas, minutos depois do anúncio da Casa Branca, na área adjacente ao monte Al Baghuz, e que também ocorreram tiroteios intensos na região.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, anunciou nesta sexta-feira que o "califado" do EI foi "100% eliminado".

Sanders comunicou a notícia aos jornalistas que acompanhavam o presidente americano, Donald Trump, no avião oficial em sua viagem à Flórida, sem oferecer mais detalhes.

Ao chegar, o próprio Trump, que tinha se reunido durante o voo com o secretário de Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, se dirigiu aos jornalistas para confirmar a notícia. EFE