PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Irã diz que decisão de Trump sobre Golã causará crise no Oriente Médio

22/03/2019 09h54

Teerã, 22 mar (EFE).- O Irã, forte aliado do regime sírio, considerou nesta sexta-feira que "as decisões impetuosas" do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre as Colinas de Golã causarão uma "crise" na região do Oriente Médio.

"As políticas americanas são perigosas para o mundo e empurram regiões sensíveis para crises contínuas", ressaltou em comunicado o Ministério das Relações Exteriores do Irã, em resposta à ação de Trump de reconhecer a soberania israelense sobre as Colinas de Golã, um território sírio que Israel ocupou durante a guerra dos Seis Dias (1967).

O porta-voz da Chancelaria iraniana, Bahram Qasemi, afirmou que Israel, "como regime de ocupação, não tem soberania sobre nenhuma das terras islâmicas e árabes, e a ocupação deveria terminar rapidamente".

Para Qasemi, "a decisão intervencionista do presidente dos EUA não muda o fato de que as Colinas de Golã pertencem à Síria", além de representar uma violação das leis internacionais.

A resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU pede a Israel que se retire dos territórios ocupados na guerra de 1967, enquanto o acordo de cessar-fogo assinado em 1974 por Israel e Síria estabelece Golã como uma região desmilitarizada.

Em uma mudança drástica na política dos EUA, pouco antes de a Casa Branca apresentar seu plano de paz para o Oriente Médio, Trump disse na quinta-feira que "é hora" de seu governo reconhecer a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã.

"Depois de 52 anos, é hora de os EUA reconhecerem plenamente a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, que são de uma importância crucial do ponto de vista estratégico e de segurança para Israel e para a estabilidade regional", escreveu Trump em mensagem no Twitter.

O anúncio, feito quatro dias antes de o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reunir com Trump em Washington, contribuirá para aumentar as tensões com os palestinos, com a Síria e com o Irã. EFE

Internacional