Topo

Presidente catalão retira símbolos separatistas, mas fará denúncia à Justiça

22/03/2019 15h03

Barcelona (Espanha), 22 mar (EFE).- O presidente do Governo autônomo da Catalunha, Joaquim Torra, retirou nesta sexta-feira os símbolos de apoio aos independentistas que eram exibidos na sede administrativa regional, como ordenou a Junta Eleitoral Central (JEC), mas anunciou que denunciará tal exigência à Justiça.

Na sacada principal do palácio do governo dessa comunidade autônoma havia um cartaz de apoio aos políticos independentistas presos, assim como um laço amarelo, que também simboliza esse apoio, como em outras sedes governamentais dessa região do nordeste espanhol.

A JCE deu ao longo desta semana dois ultimatos a Torra para que retirasse esses símbolos por considerar que são partidários, diante da convocação de eleições gerais para 28 de abril. O órgão eleitoral tinha advertido que se não respondesse a tal solicitação, poderia incorrer em responsabilidades penais.

Em um primeiro momento, o presidente regional sobrepôs ao cartaz original outro de similares caraterísticas, mas substituiu o laço amarelo por outro branco com uma faixa vermelha e respondeu ao organismo eleitoral que a permanência desses símbolos era um assunto de liberdade de expressão.

Pouco depois, a JCE decidiu levar Torra à Procuradoria pela possível responsabilidade penal por não obedecer tal exigência e ordenou à Polícia Regional da catalunha a retirada dos símbolos soberanistas da sacada e dos outros departamentos do Governo regional.

Em comunicado, Torra anunciou nesta sexta-feira seu propósito de apresentar um recurso contencioso administrativo diante do Supremo Tribunal contra a decisão da JEC pedindo a suspensão "imediata" de suas decisões, assim como uma denúncia por suposta prevaricação.

O presidente regional catalão disse, além disso, que não deixará de defender "a liberdade de expressão com todas as consequências que tenha que assumir".

Mostra disso é o terceiro cartaz que há na sacada da sede do Executivo autônomo com o lema "Liberdade de opinião e expressão. Artigo 19 da Declaração Universal de Direitos Humanos". EFE

Mais Internacional