PUBLICIDADE
Topo

ONU pede "máxima moderação" para evitar escalada de violência em Gaza

25/03/2019 15h49

Nações Unidas, 25 mar (EFE).- O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, pediu nesta segunda-feira "máxima moderação" para evitar uma escalada da violência em Gaza, onde Israel lançou uma série de bombardeios em resposta ao lançamento de um foguete que atingiu seu território e deixou sete feridos.

Através de um porta-voz, Guterres disse estar "gravemente preocupado" com os últimos eventos e afirmou que as Nações Unidas estão trabalhando com o Egito e outros atores para tentar diminuir a tensão.

"Uma maior escalada provavelmente piorará uma situação já por si ruim, especialmente para os civis de perto e dentro de Gaza", disse aos jornalistas o porta-voz da organização, Stéphane Dujarric.

Para a ONU, o lançamento, ocorrido em Gaza, de um foguete que atingiu uma casa em Israel e deixou sete civis feridos é "uma violação séria e inaceitável".

Em outro tom, o mesmo porta-voz disse que a organização está a par das informações sobre a resposta israelense e a analisa de perto.

O Exército de Israel realizou nesta segunda-feira vários bombardeios contra alvos do movimento islamita Hamas, que atingiram duas infraestruturas militares e de treinamento do grupo no norte de Gaza.

O Ministério da Saúde palestino informou que até o momento não há informações sobre feridos.

Nas comunidades israelenses junto à fronteira com Gaza, as autoridades abriram os refúgios e alertaram a população sobre o iminente rodízio de bombardeios, além de suspender o serviço ferroviário entre as cidades de Ashkelon e Sderot, informou o portal "Times of Israel".

O Exército israelense não respondeu imediatamente, como de costume, ao lançamento do foguete desta madrugada, sobre o qual nenhuma milícia reivindicou a autoria, mas pelo qual Israel responsabilizou o movimento islamita Hamas.

O foguete lançado nesta manhã era de fabricação caseira e supostamente pertencia ao Hamas. Ele atingiu a cidade de Mishmeret, localizada a mais de 120 quilômetros do enclave, de acordo com informações de uma porta-voz militar.

Netanyahu decidiu encurtar sua visita oficial a Washington, onde falaria hoje no fórum anual do AIPAC (Comitê de Assuntos Públicos Americano-Israelense), para retornar a Israel após se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. EFE