PUBLICIDADE
Topo

Internacional

UE diz estar pronta para "Brexit" sem acordo, algo "cada vez mais provável"

25/03/2019 10h45

Bruxelas, 25 mar (EFE).- A Comissão Europeia (CE) anunciou nesta segunda-feira a conclusão de sua preparação para um "Brexit" sem acordo e afirmou que a legislação e infraestruturas dos 27 membros da União Europeia (UE) estão prontas para enfrentar esta situação "cada vez mais provável".

"Como é cada vez mais provável que o Reino Unido deixe a UE sem um acordo em 12 de abril, a CE completou sua preparação para o cenário do não 'acordo'", afirma Bruxelas em comunicado.

A prorrogação que a UE concedeu ao Reino Unido na última quinta-feira reconhece uma primeira data limite de 12 de abril para que o governo britânico, caso não consiga apoio parlamentar sobre o acordo de saída, indique como quer proceder com o "Brexit", isto é, se quer solicitar uma ampliação mais longa e participar das eleições europeias ou se prefere sair sem um acordo.

Neste último caso, o divórcio desordenado aconteceria na meia-noite do dia 12 para o dia 13 de abril, no horário de Bruxelas.

As equipes da CE tiveram "amplias discussões técnicas" com os governos do bloco sobre a preparação geral e em setores específicos, e viajaram às capitais de todos os Estados membros (exceto o Reino Unido), que demonstraram "um alto nível de preparação para todos os cenários", informa Bruxelas.

Em áreas como os serviços de alfândegas, fontes da UE afirmaram que está sendo preparada a contratação "em massa" de funcionários em países diretamente conectados ao Reino Unido: cerca de 700 pessoas na França, entre 300 e 400 na Bélgica e mais de 900 na Holanda.

"Até com isto, a alteração acontecerá. Isso está completamente claro, particularmente vendo massiva quantidade de controles que temos que fazer. Haverá atritos", reconhecem fontes comunitárias.

Apesar da prorrogação concedida pela UE, Bruxelas ainda quer que o Reino Unido informe antes de 18 de abril se quer continuar contribuindo para o orçamento europeu deste ano para evitar problemas na execução das contas para 2019, já que inclusive com um "Brexit" sem acordo seria possível evitar assim interrupções de pagamentos em áreas como a pesquisa e a agricultura. EFE

Internacional