PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Príncipe Charles deixa Havana após histórica visita de 3 dias

27/03/2019 20h21

Havana, 27 mar (EFE).- O herdeiro da coroa do Reino Unido, príncipe Charles, e sua esposa, Camila, deixaram Havana nesta quarta-feira após uma histórica visita de três dias e que foi a primeira estadia oficial de um membro da realeza britânica em Cuba.

O Airbus Voyager A330-200 da Força Real Britânica partiu por volta das 16h (horário local, 17h em Brasília) do Aeroporto Internacional José Martí, na capital cubana, rumo às Ilhas Cayman, a última parada da longa viagem do casal pelo Caribe. Eles já passaram por Santa Lúcia, Barbados, São Vicente e Granadinas, São Cristóvão e Nevis e Granada. A vice-ministra de Relações Exteriores de Cuba, Ana Teresita González Fraga, foi responsável por recebê-los no domingo e levá-los hoje.

A visita, destinada a aprofundar a "diplomacia construtiva" do Reino Unido, mas sem conteúdo político, incluiu uma reunião na segunda-feira entre o príncipe e o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel. No encontro, eles conversaram sobre as boas relações e a vontade mútua de desenvolver vínculos bilaterais em áreas como educação, saúde, cultura, preservação do meio ambiente e desenvolvimento sustentável, de acordo com a imprensa estatal cubana.

Charles e Camila também participaram de uma atividade cultural no emblemático Parque John Lennon, no bairro Vedado, e da cerimônia de início da construção de um parque iluminado com energia solar e de financiamento britânico na Zona Especial de Desenvolvimento do Mariel, o principal projeto do governo cubano para captar investimento estrangeiro. O príncipe ainda visitou vários laboratórios de pesquisa e desenvolvimento do Centro de Imunologia Molecular de Cuba, inaugurado em 1994 pelo falecido ex-presidente Fidel Castro. Depois, ele e Camila almoçaram no bairro residencial de Miramar, onde provaram bebidas típicas e vários pratos da cozinha tradicional.

A histórica visita faz parte do fortalecimento da relação, que começou em 2016 com a viagem do então ministro de Relações Exteriores e atual ministro da Fazenda do Reino Unido, Philip Hammond. EFE

Internacional