PUBLICIDADE
Topo

Guaidó chama venezuelanos para protesto nas ruas

31/03/2019 19h10

Caracas, 31 mar (EFE).- O chefe do Parlamento venezuelano, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, convocou o público a protestar nas ruas durante as primeiras manifestações em rejeição aos blecautes.

"Um novo apagão por culpa dos usurpadores, mas agora com nossa gente protestando na rua. Que ninguém fique em casa! A ditadura quer que sejamos pacíficos. Não garantiram a eletricidade, a água e nem a economia", afirmou Guaidó no Twitter, que acrescentou a hashtag "Eles têm que ir".

Centenas de pessoas protestaram neste domingo em diferentes pontos do país nas primeiras manifestações de rua desde segunda-feira passada, quando os blecautes começaram.

"Temos que mostrar nossa rejeição ao regime usurpador que provocou a maior tragédia da nossa história. É hora de protestos organizados, para assim protegermos nossos vizinhos e nosso país. Vamos juntos e vamos com tudo!", acrescentou Guaidó.

O líder opositor também pediu que as Forças Armadas protejam os manifestantes, porque "todos" estão "sofrendo por culpa do colapso que o regime gerou".

No centro de Caracas, dezenas de manifestantes fecharam a Avenida Forças Armadas em três pontos e interromperam o trânsito em um dos principais pontos de protesto. Em outras partes da capital foram registrados protestos com centenas de pessoas batendo panelas e gritando frases contra o governo de Maduro.

Fontes da oposição disseram que também aconteceram manifestações em estados como Carabobo, Lara e Zulia.

Os protestos acontecem no sétimo dia de problemas com o fornecimento de energia, depois que no último dia 25 dois blecautes deixaram o país às escuras sem que o sistema tenha sido totalmente retomado até o momento, apesar de várias reconexões.

O governo de Nicolás Maduro denunciou cinco atos de "sabotagem" contra o Sistema Elétrico Nacional desde o dia 7, quando aconteceu o primeiro apagão. A oposição venezuelana, por sua vez, culpa o governo e à estatal Corporação Elétrica pelo aumento destes blecautes, que começaram há uma década e se tornaram frequentes especialmente em regiões distantes de Caracas. EFE