Topo

Médico de francês em estado vegetativo anuncia que vai interromper tratamento para deixá-lo morrer

AFP
Foto tirada em junho de 2015 e divulgada pela família mostra Vincent Lambert, um homem tetraplégico que vive com ajuda de aparelhos Imagem: AFP

2019-05-11T12:19:00

11/05/2019 12h19

O médico do francês Vincent Lambert, que se transformou um símbolo do debate sobre eutanásia na França por estar em estado vegetativo há mais de dez anos, anunciou à família do paciente que irá interromper o tratamento nos próximos dias para deixá-lo morrer.

Os advogados dos pais de Lambert, Jean Paillot e Jérôme Triomphe, informaram à Agência Efe que o doutor Sanchez, que atua no hospital de Reims, comunicou a intenção de executar a decisão tomada há um mês de desligar os aparelhos que mantêm Lambert vivo.

A interrupção do tratamento ocorreria, segundo essa fonte, na semana que começa em 19 de maio.

Os advogados apontaram que "se essa decisão for executada, Lambert morrerá em poucos dias" e invocaram o pedido feito à França há cinco dias pelo Comitê da ONU sobre os direitos das pessoas com incapacidade de suspender qualquer decisão à espera de uma investigação médica profunda do caso.

O Governo francês, que disse que iria responder à ONU, entende que foram esgotados os recursos jurídicos do caso, depois que o Conselho de Estado - máxima instância da justiça administrativa - autorizou em abril a interrupção do tratamento e da aprovação do Tribunal Europeu de Direitos Humanos sobre tal decisão.

Para os advogados, "não há nenhuma emergência médica para interromper a alimentação e a hidratação de Lambert e nada justifica uma violação tão desavergonhada do direito internacional e das medidas provisórias reivindicadas pela ONU".

Este caso se transformou na França em modelo do debate sobre os tratamentos e uma morte digna.

Na própria família do paciente há partidários (os pais, uma irmã e um meio-irmão) e opositores (a esposa, cinco irmãos e um sobrinho) a mantê-lo vivo de forma artificial.

Lambert, de 42 anos e enfermeiro psiquiátrico de profissão, sofreu um acidente de trânsito em 2008.

No acidente, Lambert sofreu um traumatismo cranioencefálico que o deixou tetraplégico. Em 2011, os médicos descartaram qualquer possibilidade de melhora e em 2014 seu estado foi qualificado de vegetativo.

Os pais de Lambert, de profundas crenças religiosas, sempre defenderam seu direito à vida e consideram que desligar os aparelhos suporia um tratamento desumano e degradante, por isso que nos últimos anos esgotaram os recursos jurídicos possíveis.

Eutanásia é diferente de suicídio, explica o médium Edu Scarfon

RedeTV! Entretenimento

Mais Internacional