Topo

Joko Widodo vence ex-general e é reeleito presidente da Indonésia

2019-05-20T23:39:00

20/05/2019 23h39

Jacarta, 21 mai (EFE).- A Comissão Eleitoral da Indonésia (KPU, sigla em indonésio) confirmou nesta terça-feira (data local) a reeleição de Joko Widodo como presidente do país, ao anunciar a apuração oficial das eleições de abril, cujo resultado não foi aceito pelo seu adversário, o ex-general Prabowo Subianto.

Widodo, conhecido popularmente como Jokowi, obteve 55,5% dos votos - 85 milhões de um total de 154 milhões -, contra 44,5% de seu rival, segundo a KPU.

A equipe de Prabowo se recusou a assinar o relatório da KPU com os resultados, enquanto agências das Nações Unidas e diferentes embaixadas emitiram alertas de possíveis manifestações de ex-partidários militares.

O ex-general, que cortejou o voto islâmico no país de maioria muçulmana, denunciou uma suposta fraude, algo que foi descartado pela Agência de Supervisão Eleitoral, apesar do reconhecimento de irregularidades em pequena escala.

Widodo venceu em 21 províncias, com vantagens confortáveis em áreas de maioria hindu ou cristã como Bali ou Papua, enquanto Prabowo foi o mais votado em outras 13 outras províncias, com Aceh, uma província que é governada pela lei islâmica, como um dos seus bastiões.

Prabowo já havia sido derrotado por Widodo em 2014, em uma disputada eleição contestada sem sucesso pelo ex-general no Tribunal Constitucional, uma medida que ainda não está claro que será tomada novamente, e que depois levou a protestos de seus seguidores.

Em Jacarta, a sede da KPU é cercada por arame farpado e veículos antidistúrbios, enquanto a polícia anunciou a implantação de 32 mil unidades das Forças de Segurança para evitar brigas.

Além disso, as autoridades alertaram sobre o perigo de ataques terroristas durante as manifestações após o anúncio do resultado e prenderam dezenas de jihadistas que, segundo a polícia, planejavam atacar durante os protestos.

As eleições da terceira maior democracia do mundo também serviram para eleger o vice-presidente e cerca de 20 mil candidatos legislativos nos níveis nacional, provincial e local. EFE

Mais Internacional